Jovem Pan Online - RSS

sexta-feira, 29 de maio de 2015

SEGUNDONA - São Bernardo vira no final e segue invicto no Grupo 3

Cláudio Messias*

Não foi dessa vez que caiu mais um invicto da Segundona 2015. No conturbado jogo realizado nessa noite de sexta-feira no estádio Baetão, em São Bernardo do Campo, o time da casa venceu o Guarulhos e confirmou-se como a principal força do Grupo 3. Com o resultado positivo, o São Bernardo sai da sétima rodada como, no mínimo, um dos dois únicos invictos do certame.

O jogo no Grande ABC teve paralisação de 45 minutos na etapa inicial, devido a contusão séria do jogador Kiko. Em lance aos 35 minutos iniciais, ele chocou-se com adversário, caiu de mau jeito e, além de fraturar um dos braços, ainda bateu com a cabeça em uma base de concreto à margem do gramado. Foi socorrido, levado ao Prono Socorro Central de São Bernardo, medicado e submetido a exames. Somente 45 minutos depois a ambulância retornou ao estádio Baetão e, assim, o jogo foi reiniciado.

O primeiro tempo do confronto terminou 0x0. Mas, na etapa complementar, a rede balançou. E quem saiu primeiro na frente foi o Guarulhos, com Rodney, aos 15 minutos. O São Bernardo, que começa a receber reforços de clubes grandes da capital, como o Palmeiras, reagiu à altura da regular campanha que realiza. Empatou dois minutos depois, com Bill, de pênalti. E virou para o placar definitivo de 2x1 aos 32 minutos finais, com Washington.

Com a vitória o São Bernardo dispara na liderança do Grupo 3. Chega aos 17 pontos em 7 jogos e não pode ser ultrapassado, nessa rodada, na dianteira da chave. Já o Guarulhos distancia-se ainda mais do G-4, continuando com os mesmos 6 pontos que, hoje, lhe dão a sétima colocação no Grupo 3. Posição essa ameaçada pelo Taboão da Serra, que tem os mesmos 6 pontos e nessa rodada vai na Mauá enfrentar o Mauaense. Com um simples empate o Tabão rouba a sétima colocação,

No momento, o São Bernardo é o melhor time da Segundona, com 17 pontos. Soma um ponto a mais que Vocem e Grêmio Prudente, adversários diretos da tarde desse sábado, em Assis, pelo Grupo 1. Em eventual empate o time do Grande ABC mantém a dianteira na classificação geral do torneio, por critério de desempate.

Crédito - Acompanhei o jogo São Bernardo 2x1 Guarulhos na cobertura da rádio Parati FM, em cadeia com a STI Esporte, de São Bernardo do Campo.



* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

SEGUNDONA - Jogo recomeça em São Bernardo, 45 minutos depois

Passados 45 minutos desde que foi interrompido, o jogo São Bernardo x Guarulhos acaba de ser reiniciado, no estádio Baetão, em São Bernardo do Campo. Segundo a rádio STI Esporte, de meu amigo José Santos, o jogador Kiko, do São Bernardo, foi atendido no setor de emergência do Pronto-socorro Central da cidade. Aos 35 minutos da etapa inicial ele sofreu choque violento com jogador do Guarulhos e, na queda, além de fraturar um dos braços, ainda bateu com a cabeça na base do alambrado do estádio.

Kiko, de acordo com a rádio STI Esporte, está medicado e será submetido a exames. Ainda não está confirmado o traumatismo craniano. No placar, 0x0.

No recomeço do jogo uma situação inusitada. O estádio Baetão, que está com o sistema de iluminação precário, tem a queima gradativa de lâmpadas. Bastou o jogo recomeçar e mais uma lâmpada queimou-se, comprometendo a visibilidade das equipes esportivas de rádio.


SEGUNDONA - Suspeita de traumatismo craniano para, agora, jogo do invicto São Bernardo

Cláudio Messias*

Um incidente de jogo interrompeu, minutos atrás, São Bernardo x Guarulhos, que abre a sétima rodada da Segundona 2015. O confronto está sendo realizado no estádio Baetão, em São Bernardo do Campo, e foi parado aos 38 minutos do primeiro tempo.

Segundo transmissão da rádio STI Esportes, o jogador Kiko, do São Bernardo, sofreu um choque violento contra um atleta adversário e, depois, ainda bateu com a cabeça com a sustentação do alambrado do estádio. Atendido, ficou constatada suspeita de traumatismo craniano e confirmada fratura em um dos braços. 

Como somente uma ambulância encontrava-se à disposição, o árbitro Kléber Canto dos Santos determinou a interrupção, autorizando que jogadores se dirigissem aos bancos de suas equipes para diálogos com comissões técnicas e outros procedimentos.

Kiko foi conduzido ao Pronto-socorro Central, em São Bernardo do Campo. No momento, o tempo normal de jogo seria de 48 minutos da primeira etapa, ou seja, dez minutos de paralisação. O placar está inalterado: 0x0.

O São Bernardo é um dos três clubes invictos nessa temporada da Segundona 2015. Líder isolado do Grupo 3, o clube do Grande ABC tem a terceira melhor campanha do certame, atrás de Vocem e Grêmio Prudente. Uma vitória, hoje, leva a agremiação a 17 pontos. Já o Guarulhos tem campanha irregular nessa temporada. Soma apenas 6 pontos e ocupa a 7.a colocação na chave. Mesmo com uma vitória, não entra no G-4.

* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

NÚMEROS - Segundona marca mais gols que a elite da Série A-1

Cláudio Messias*

O regulamento do Campeonato Paulista de 2015 unifica somente alguns critérios para os clubes inscritos nas divisões Série A-1, Série A-2, Série A-2 e Segunda Divisão. Um deles configura, na opinião do blogueiro, uma das mais desastrosas decisões da história do torneio, qual seja, a limitação de contratação de 28 jogadores por agremiação na temporada. Já opinei demais sobre isso e não cansarei a você, raro e exceto leitor, com mais essa acidez. Mas, continuando a análise, os números distanciam as realidades entre as divisões em disputa. Nessa perspectiva, nem sempre melhores salários, patrocinadores e vínculo com canais hegemônicos de TV rendem aquilo que o torcedor mais gosta de ver: gols.

Até aqui, decorridas seis rodadas, a Segunda Divisão do Paulistão Bebum Itaipava 2015 tem melhor desempenho, em redes balançando, que a Série A-1, a elite. A diferença é mínima, mas representa muito quando há comparativo de realidades entre as agremiações de uma e outra divisões. O Grêmio Prudente, por exemplo, tem o melhor ataque da Segundona nesse momento, média de 2,33 tentos por jogo. Esse parâmetro é, porém, inferior à média de gols do próprio certame, que é de 2,46 gols por jogo. Na Primeira Fase da Série A-1, por exemplo, o melhor ataque foi o do São Paulo FC, que marcou 30 gols em 15 jogos, média cravada de 2,0 gols por jogo. O Palmeiras, que dos 'grandes' foi o que marcou menos gols naquela etapa do torneio (23 tentos), registrou a média de 1,53 gol por confronto disputado.

No geral, a Série A-1, que teve 4 fases, sendo três delas em mata-mata, teve 374 gols marcados, perfazendo a média de 2,37 gols por cada um dos 158 confrontos realizados. A Segundona tem, ainda, 90 jogos realizados em seis rodadas disputadas por 30 clubes. Mas, como informado, a média de gols só sobe. Começou com 1,87 gol por jogo na primeira rodada mas subiu para 2,8 gols na terceira rodada. Na sexta rodada, semana passada, com 39 gols assinalados, a média foi de 2,6 gols.No cômputo geral, 2,46 tentos.

O pior ataque da Segundona é do Bandeirante, de Birigui, que está no Grupo 1, o mesmo do Grêmio Prudente. Não por acaso, o clube amarga a lanterna da chave e o status de pior time do certame, tendo balançado a rede com somente um gol em 6 disputados. Não tem, porém, a pior defesa, condição dividida, atualmente, por ECUS, Palmeirinha e Lemense, que sofreram 13 gols. A defesa do Bandeirante tomou 11 gols até aqui, saldo negativo de 10.



* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

DECISÃO - Sétima rodada tem 3 confrontos diretos no Grupo 1

Cláudio Messias*

O primeiro turno da Primeira Fase da Segundona 2015 do Campeonato Paulista caminha para o desfecho. No Grupo 1 haverá três jogos que colocam os adversários em confronto direto na briga por posições na tabela de classificação. Em todos os casos há busca por um lugar no G-4, que é o conjunto dos quatro melhores clubes que classificam-se para a Segunda Fase.

Todos os olhares da Segundona ficam voltados para o estádio Tonicão, em Assis, onde nesse sábado, às 15 horas, Vocem e Grêmio Prudente fazem o confronto direto entre os únicos invictos do Grupo 1. Além das duas equipes, somente o São Bernardo, líder do Grupo 3, também ainda não perdeu em 6 jogos disputados. Mas, Vocem e Grêmio Prudente tem um crédito a mais: acumulam a mesma pontuação e só desempatam nos critérios previstos pelo regulamento, já que o time de Assis soma saldo de 2 gols positivos a mais. Mesma campanha que dá aos dois adversários o melhor desempenho entre os 30 clubes que disputam a Segundona. Se o Grêmio Prudente tem o melhor ataque, o Vocem tem melhor defesa

Outro clube de Assis tem confronto direto nessa rodada. O Atlético Assisense vai a Tanabi em busca, no estádio Alberto Victolo, de uma reabilitação que o coloque de volta no G-4. Atual sexto colocado na chave, o Falcão do Vale também empata com 7 pontos com o Tanabi, mas leva vantagem nos critérios, já que tem uma vitória a mais. A vitória garantirá os 10 pontos e, no mínimo, a quarta colocação, pois Osvaldo Cruz x Fernandópolis, atuais terceiro e quarto colocados, também se enfrentam na rodada.

O confronto dos outros dois integrantes do G-4 no Grupo 1 vale a reaproximação dos líderes, que têm o dobro de pontos: 16. Osvaldo Cruz x Fernandópolis entram em campo no estádio Breno Ribeiro do Val, em Osvaldo Cruz, às 10 horas de domingo. Se empatarem, ficam com 9 pontos e veem Tanabi ou Atlético Assisense podendo chegar aos 10 ponto, caso haja vencedor no confronto em Tanabi. 

Outro time que joga de olho nos demais confrontos é o Noroeste. O time de Bauru visita o estádio José Pereira Braga, em José Bonifácio, atrás de uma vitória que o coloque no G-4, caso não haja vencedor no confronto Tanabi x Atlético Assisense. Seria a confirmação da reabilitação do Noroeste, mas para isso há um detalhe: o José Bonifácio também vem demonstração força suficiente para se reerguer na tabela, e caso vença o jogo em casa chega aos 8 pontos e, assim, ele é que ultrapassa o Noroeste na tabela de classificação.

Fechando a rodada do Grupo 1 o Bandeirante, que tem a pior campanha da Segundona 2015, recebe o América no estádio Pedro Marin Berbel, em Birigui. A situação do Bandeirante é tão crítica que mesmo vencendo não sairá da lanterna, já que soma apenas 1 ponto, ante 5 do vice-lanterna José Bonifácio. Já o América soma 6 pontos e caso aproveite da condição de enfrentar o pior time do campeonato chegará aos 9 pontos, o que em cruzamento com uma série de resultados o colocaria de volta ao G-4.

Estatísticas - A sétima rodada começa a mostrar os times que jogam limpo ou pesado nessa temporada da Segundona. O Tanabi, por exemplo, é um time a ser temido. Não pela competência, mas pela violência. Cometeu 130 faltas até aqui e seus jogadores foram punidos com 24 cartões amarelos. Méritos da arbitragem da Federação, que pune a agremiação mais violenta com rigor. No lado oposto desse perfil está o Noroeste, a agremiação menos faltosa do Grupo 1.

Em se tratando de cartões amarelos o Atlético Assisense é o mais comportado da chave. Os jogadores do Falcão do Vale foram punidos com 12 advertências apenas. Já o José Bonifácio é o mais indisciplinado, somando 3 cartões vermelhos. No campeonato como um todo São Carlos e Inter de Bebedouro, do Grupo 2, batem o recorde de 4 expulsões no certame até aqui.



* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

SEGUNDONA BRAVA - Vocem x Grêmio Prudente terá árbitro Categoria 1

Cláudio Messias*

As reclamações em torno da qualidade da arbitragem que está atuando nos jogos da Segundona 2015 fizeram a Federação Paulista de Futebol acionar o primeiro escalão  para os confrontos que começam a decidir os grupos nessa reta final do Primeiro Turno. Hoje, no sorteio dos quartetos que irão trabalhar na sétima rodada do certame, isso ficou claro.

Bom para o público que comparecer nesse sábado ao estádio Tonicão, em Assis, para o clássico Vocem x Grêmio Prudente. A partida será comandada pelo jovem Camilo Moraes Zarpelão, de 34 anos. Juventude que destoa de sua experiência, pois Camilo é árbitro Categoria 1, ou seja, está um patamar abaixo da Classe Especial, composta por árbitros credenciados para apitar jogos decisivos do Campeonato Paulista e submetidos a sorteio nas escalas, por exemplo, de jogos do Campeonato Brasileiro, pela CBF.

Camilo Zarpelão já atuou em 13 jogos em 2015. Foram duas atuações pela Copinha São Paulo, duas pela Série A-3, cinco pela Série A-2 e três na elite da Série A-1. Sua mais recente escala aconteceu dia 17 de maio, no jogo Taubaté 1x0 Primavera, no estádio Joaquim de Moraes Filho, em Taubaté, pela Série A-3. No histórico com clubes de Assis, Camilo tem no currículo a atuação no jogo Água Santa 4x0 Atlético Assisense, no dia 25 de setembro de 2013.

O árbitro assistente 1 para Vocem x Grêmio Prudente será Leandro Matos Feitosa, de 29 anos, que se destaca por experiência em escalas no Campeonato Brasileiro, em jogos das Séries B e C e que também tem no currículo a maturidade de atuação em jogos da Série A-1. Sua mais recente atuação ocorreu dia 17 de maio no jogo Guaratinguetá 1x1 Guarani, pela Série C. Na elite do futebol paulista ele foi escalado em seis jogos, com ênfase para São Paulo 3x0 Linense, dia 29 de março;  Capivariano 2x3 Corinthians, dia 22de março; Corinthians 3x0 Mogi Mrim, dia 1.o de março; e Penapolense 1x3 São Paulo, dia 1.o de fevereiro. Já são, até aqui, 22 jogos em que Leandro Feitosa é escalado em 2015.

Em seu histórico, Leandro Feitosa tem passagem por Assis no segundo derby de 2014, ocasião em que, dia 25 de maio, atuou como árbitro assistente 2 no jogo Atlético Assisense 0x1 Vocem, no estádio Tonicão. Naquela temporada de 2014 Feitosa figurou em 46 escalas, passando por competições do Campeonato Paulista e do Brasileirão, além da Copa São Paulo de Futebol Júnior.

O árbitro assistente 2 João Edilson de Andrade completa o trio de qualidade que atuará nesse sábado em Vocem x Grêmio Prudente. Ele já fez 12 jogos em 2015, sendo 7 compromissos pela Série A-1 do Paulistão. Destaque para a atuação no clássico Palmeiras 3x0 São Paulo, no Allianz Parque, dia 25 de março. Sua atuação mais recente ocorreu dia 23 de maio, nos confrontos ECUS x Guarulhos pelos campeonatos sub-15 e sub-17. João Edilson esteve em Assis no dia 16 de agosto do ano passado, data da sonora goleada sofrida pelo Atlético Assisense frente ao Atibaia: 8x0. Também na temporada 2015 da Segundona ele atuou no jogo Pirassununguense 1x1 Vocem, dia 26 de julho.

O quarto árbitro de Vocem x Grêmio Prudente será Paulo Santiago de Medeiros, que volta a Assis duas semanas depois de atuar em Atlético Assisense 0x2 Osvaldo Cruz.

Atlético Assisense - O jogo Tanabi x Atlético Assisense, programado para a manhã de domingo, às 10 horas, no estádio Alberto Victolo, será apitado por Luciano Alves de Lima, de 39 anos. Ele também pertence à Categoria 1 no Ranking de Arbitragem da Federação. Será sua décima segunda escala em 2015, vindo de dois jogos na Copinha São Paulo, dois na Série A-3, quatro na Série A-2 e quatro na Série A-1. Destaque para as atuações em Corinthians 3x0 Mogi  Mirim, dia 1.o de março, e Santos 3x0 Ituano, dia 1.o de fevereiro.

Os árbitros assistentes para Tanabi x Atlético Assisense serão Marcelo Rodrigo da Silva, de 36 anos, e Osvaldo Apipe de Medeiros Filho, também de 36 anos. O quarto árbitro será Jeferson Silvestrini, que foi árbitro principal no confronto do final de semana passado Atlético Assisense 0x1 Grêmio Prudente, no Tonicão.

Vergonha - A partir de hoje, até que sejam esclarecidas todas as acusações que recaem sobre a cúpula da CBF, que meses atrás ocupava o comando da Federação Paulista de Futebol, usarei a tarja "Vergonha" nas postagens que fizer relacionadas aos torneios de futebol realizados em São Paulo. Nada, portanto, relacionado aos clubes e protagonistas que constarem nessas postagens.





* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

JOSÉ MARIA MEDALHIN - E todas as desconfianças recaem sobre a Federação Paulista de Futebol

Cláudio Messias*

Completo, em novembro, 30 anos de iniciação ao jornalismo esportivo. Desde que comecei, naquele novembro de 1985, ingressando na equipe comandada por Chico de Assis, o Poeta, vi quase de tudo nesse universo do futebol profissional. Um universo que cheguei a rodear quando ainda era conhecido como Ovelha, goleiro que frequentou, sem sucesso algum, as categorias de base do Vocem, incentivado pelo saudoso Limpião, tradicional roupeiro do Esquadrão da Fé na época em que os jogos eram mandados na Associação Atlética Ferroviária, vulgo estádio da Rua Brasil.

Até hoje não vi um clube pequeno, de interior, chegar à Primeira Divisão do Campeonato Paulista e lá se manter com a regularidade de estada dos 'grandes' da capital. E olha que nesse período a Portuguesa de Desportos, que quando comecei era grande, chegou a ser sacaneada por arbitragem do argentino Castrilli, quase foi campeã estadual, revelou ao mundo mais um badalado sucessor de Pelé, Dener, que a morte tratou de interromper, despencou o suficiente para hoje ter as mesmas dívidas e os mesmos problemas que a maioria absoluta dos nanicos clubes do interior. Clube grande, pois, não cai. E quando está para cair, no Paulistão, é ajudado pelo maior dos rivais, como no histórico caso em que o São Paulo misteriosamente salvou o meu Corinthians da hoje denominada Série A-2.

Já vi até CPI do Futebol no Congresso Nacional. Investigações, claro, que não deram em nada. E houve um técnico, badalado, que caiu da Seleção Brasileira por escândalo envolvendo sonegação de impostos para a Receita Federal, caso de Vanderlei Luxemburgo que, convenhamos, não aprendeu nada em sua meteórica passagem pelo Real Madri; nem falar espanhol. E se o assunto é Seleção, como esquecer a oferta de estadia,sol, mar, belas mulheres, clima agradável, de férias, e receber dos alemães a inesquecível goleada de 7x1. Igualmente, se o assunto é CPI do Futebol, o que dizer da saída, pela porta dos fundos, de Eduardo José Farah, cuja passagem pela Federação Paulista de Futebol rendeu muito, mas muito. Rendeu até nome ao estádio municipal de Presidente Prudente, a que a população regional chamou de Prudentão mas que a política nefasta denominou Farazão.

Nessas três décadas passadas vi o esporte ser diretamente impactado pelo cerceamento à publicidade de cigarro e bebidas alcoólicas. Nosso ídolo maior do automobilismo dirigiu uma MacLaren que nada mais era do que o design da embalagem da caixa de cigarros da marca Marlboro. Senna, também, começou a carreira na Fórmula 1 em uma Lotus que já era a reprodução de outro produto igualmente nefasta, o John Player Special. E aí vem a Federação Paulista de Futebol e, ao organizar o que ela denomina como maior campeonato regional do mundo, estampa nas campanhas as marcas de cervejarias. Isso, concomitante à proibição de venda de bebidas alcoólicas em estádio, o que prejudicou diretamente aos pequenos clubes, que sempre fizeram dos seus bares, dentro dos estádios, uma importante fonte de receita. Ou seja, os clubes nanicos nada ganham, mas a Federação fatura volumosos valores com as cervejarias. Basta ver o nome comercial do Campeonato Paulista atualmente em disputa: Paulistão Itaipava. Mesmo Paulistão que já teve Kaiser na cota de patrocinadores.


O Brasil amanheceu, ontem, com a notícia da prisão de 7 cartolas do universo do futebol, todos ligados às Confederações que compõem o conselho deliberativo da Fifa. Máfia reunida em um hotel na Suíça e circunstância melhor para se prender uma quadrilha de uma só vez. No meio dos presos, José Maria Marin. O que ele fez de errado só a Justiça dos Estados Unidos, autora do mandado de prisão, sabe. E como a arrogância norte-americana custa a abrir ao mundo aquilo que fundamenta suas ações, deveremos levar alguns dias ou semanas para saber exatamente o que coloca atrás das grades alguns sexagenários. O que todo mundo sabe, mesmo, é que o retrospecto público de 
José Maria Marin o coloca na berlinda. A nós, paulistas, que tivemos a dona Federação Paulista de Futebol integrada por esse cartola, compete a retórica do "eu já sabia". Sabíamos, por exemplo, que um dirigente que apropria-se descaradamente de uma medalha que era para ser colocada no pescoço de um garoto campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 2012, é capaz de tudo o que a Justiça norte-americana entende como delituoso, e muito mais.


Eu continuo minha trajetória de vida, acompanhando, ora como torcedor, ora como cronista esportivo, o que a Federação Paulista de Futebol protagoniza. Entendo que a Federação Paulista de Futebol, na condição de aliada eterna da CBF, tem muito a dizer sobre, guardadas as devidas proporções, o que levou cartolas à prisão na Suíça. Afinal, algumas edições do Campeonato Paulista são igualmente suspeitas e envolvem direitos de transmissão e a consequente permanência dos grandes clubes da capital na elite do torneio. Cifras milionárias e uma sede de faturamento que beira ao ridículo, como no caso de o uniforme dos árbitros, em 2015, ter sido estampado com o mesmo patrocinador principal do vice-campeão paulista da temporada. Os cofres e as portas da FPF precisam ser abertos e mostrados à sociedade, passível do agravamento de uma situação cada vez mais grave: a fuga dos torcedores dos estádios. A Federação fatura demais com os patrocinadores, os clubes faturam de menos com estádios, caros, vazios.

Tenho amigos que trabalham na Federação e os isento dessa patifaria. E, reconheço, o que se passa na FPF talvez esteja, em uma escala de proporções, abaixo do que estourou na Fifa e respingará na CBF. E se é que dá para ter esperança de alguma coisa, imagino que Reinaldo Carneiro Bastos, que mês passado trocou a vice-presidência pela presidência da principal Federação de futebol do país, definitivamente tenha a coragem demonstrada desde o final do ano passado e mude os caminhos da instituição. O formato de disputa da Série A-1 é bom, mas para voltar a ter a força de antes o Paulistão precisa ter as divisões de acesso mais competitivas e igualitárias. Desde 2013 eu, aqui no Blog, esperneio contra a presença do Cotia nas competições oficiais. Clube que naquela temporada definia o estádio em que mandaria o jogo de domingo três dias antes, fazendo de palhaços os dirigentes de seus clubes adversários. Três temporadas depois precisou o TJD eliminar o Cotia, sem estádio, do Campeonato Paulista da Série A-3. Tenho dúvidas se Marco Pólo Del Nero ainda fosse presidente a Federação teria tomado igual, correta e radical decisão.

Reinaldo Bastos sinaliza para um Campeonato Paulista 2016 renovado. Respeitando o Estatuto do Torcedor, está fazendo as mudanças aos poucos. Rica, todos sabemos, a FPF continuará sendo, pois aqui estão os quatro clubes que dão audiência, público e receita publicitária nas competições que disputam. Deveremos voltar a ter apenas 3 divisões no Paulistão, como nas décadas de 1980 e 1990. Que voltemos, também, à composição das regras gerais do jogo, de maneira que se a marca do torneio é associada a cervejarias, igualmente os clubes possam voltar a comercializar o produto dentro de seus estádios.

* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

terça-feira, 26 de maio de 2015

RANKING DAS BILHETERIAS - Portuguesa Santista volta a registrar melhor público

Cláudio Messias*

Rodada sim, rodada não, a média de público da Segundona 2015 varia de boa a ruim. Coincidência ou não, as melhores médias de público pagante do certame são registradas exatamente nas rodadas em que o Vocem, de Assis, é mandante no estádio Tonicão.

No último final de semana os 15 jogos realizados levaram às bilheterias um total de 3.328 torcedores pagantes. Em média, 416 pagantes. Destaque para a Portuguesa Santista, que levou 793 torcedores com ingressos pagos ao estádio Eurico Mursi. Na soma das 6 rodadas disputadas a Lusinha da Baixada totaliza 2.673 pagantes, melhor desempenho entre os 30 clubes em disputa.

O confronto com o Mauaense, porém, pode ter sido um dos últimos da Portuguesa Santista, ao menos nos próximos 30 dias, como mandante no estádio Eurico Mursi, em Santos. A Lusinha perdeu o jogo (3x1) e sua torcida, a cabeça. Relatos em súmula feitos pela arbitragem apontam lançamento de objetos no gramado, ameaças à equipe adversária e aos próprios árbitros, falta de segurança e ofensas. Dificilmente a equipe de Santos escapará de punição no TJD, com consequente fechamento de seus jogos para o público.

O pior público da rodada voltou a ser registrado pelo Diadema. O clube da Grande São Paulo mandou o confronto contra o Suzano (0x2), domingo passado, no estádio Baetão, em São Bernardo do Campo. Público de 28 pagantes, arrecadação de R$ 400, despesas gerais de R$ 20 e renda de R$ 379,30. Na temporada, passadas seis rodadas e 4 jogos como mandante, o Diadema totaliza 117 torcedores pagantes.

O ingresso mais caro da Segundona 2015 continua sendo cobrado no estádio Cláudio Rodante, em Fernandópolis. Sábado passado o time da casa colocou 238 pagantes para assistir ao empate de 2x2 com o Tanabi. O ingresso inteiro foi vendido a R$ 30, mas o setor de cobertas variou de R$ 40 a R$ 60. Arrecadação de R$ 5.800,00, que descontadas as despesas de R$ 295,95 proporcionou renda de R$ 5.504,05.

Em Assis o estádio Tonicão recebeu 247 torcedores que passaram pela bilheteria e pagaram ingressos com preço inteiro de R$ 15. Arrecadação de R$ 3.142,50, despesas totais de R$ 1.823,31 e renda final de R$ 1.319,19 para ver o Falcão do Vale perder a terceira partida consecutiva, dessa vez para o vice-líder Grêmio Prudente (0x1).

No Ranking das Bilheterias o Atlético Assisense é o décimo terceiro em público na Segundona. O Falcão do Vale levou 786 pagantes aos 4 jogos que realizou como mandante. Do Grupo 1 é o sétimo nesse quesito, mas está à frente de clubes tradicionais como Bandeirante, Tanabi e América, da mesma chave.

Não bastasse ser um dos clubes que mais levam torcedores ao próprio estádio nessa temporada e, ainda por cima, ter mandado apenas dois confrontos no certame, o Vocem continua, passadas seis rodadas, sendo dono do melhor público do ano. O Esquadrão da Fé levou 1.495 pagantes ao Tonicão na quinta rodada e, na ocasião, desbancou os 1.012 pagantes levados pela Portuguesa Santista ao estádio Eurico Mursi, na terceira rodada.




* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

segunda-feira, 25 de maio de 2015

ANÁLISE DA RODADA - Vocem e Grêmio Prudente destoam dos demais no Grupo 1

Cláudio Messias*

A sexta rodada da Segundona 2015 foi dos visitantes. Em oito dos 15 jogos disputados os mandantes perderam para seus adversários visitantes. Nenhum dos confrontos terminou em 0x0. Destaque para os líderes de chaves Vocem, Olímpia e São Bernardo, que somaram mais três pontos e estão na dianteira do G-12, que é o grupo de clubes das 3 chaves em disputa que, por campanha, mostram-se em condições de brigar pelo acesso à Série A-3. Dos três, só o Olímpia jogou em casa, fazendo prevalecer a retórica de que visitar o estádio Maria Tereza Breda, em Olímpia, é tarefa árdua. Que o diga o Lemense, que até vinha de campanha regular no certame, mas saiu de Olímpia com um sonoro 5x0 adverso.

No Grupo 1 o Vocem e o Grêmio Prudente destoam dos demais 8 clubes que integram a chave do Oeste Paulista. Venceram seus jogos ante, respectivamente, América (3x1) e Atlético Assisense (1x0), na casa dos adversários, e travam a mais acirrada disputa pela liderança nessa versão 2015 da Segundona. Somente o critério de desempate diferencia as duas campanhas e quis o destino que, a essa altura de extremo equilíbrio, o líder Vocem recebe, no próximo sábado, o rival Grêmio Prudente, no estádio Tonicão, em Assis. Quem vencer ganha a condição de líder isolado não só do Grupo 1, mas de todo o campeonato. Afora a paixão do futebol e prevalecendo a neutralidade de olhar sobre as duas campanhas, difícil apontar favoritismo, ainda mais com o histórico dos dois times de prevalência de vitórias em jogos fora de seus próprios domínios.

A situação do Grupo 1 é tão delicada na Segundona 2015 que o terceiro colocado da chave, o Fernandópolis, tem apenas a 12.a melhor campanha entre os 30 participantes do torneio. O quarto colocado Osvaldo Cruz, então, tem a 15a. campanha da temporada. E confirmando o declínio já constatado, aqui no Ranking do Blog, na semana passada, o Atlético Assisense continua despencando. Hoje o Falcão do Vale tem apenas a 18a, campanha no cruzamento das três chaves, o que significa que, caso inicie a reabilitação e volte ao G-4 do próprio grupo, entrará na Segunda Fase em desvantagem em relação aos adversários diretos. Daí, pois, o parâmetro geral que pode ser tirado do cenário comparativo em voga.

É importante ressaltar que no dia 11 de maio o Tribunal de Justiça Desportiva da Federação Paulista de Futebol decidiu pela punição de Diadema e Jabaquara com a perda de 3 pontos. Essa subtração, porém, não é feita na tabela correspondente ao Ranking do Blog, que mede a suficiência de campanha dos 30 clubes dentro de campo, em detrimento da cartolagem que predomina debaixo dos tapetes do TJD. Principalmente o Diadema venceu o confronto que, julgado pelo Tribunal, lhe tirou, duas vezes, 3 pontos na campanha (descontados os 6 pontos o Diadema cairia para a antepenúltima campanha entre os 30 clubes em disputa). 

No momento, passadas seis rodadas, os adversários a serem respeitados para a Segunda Fase estão no Grupo 2. Os cinco primeiros colocados da chave figuram o G-12 do Ranking: Olímpia, São Carlos, Elosport, Olé Brasil e Lemense. Na prática, o Lemense, mesmo estando fora do G-4 de sua chave, tem melhor campanha que Fernandópolis e Osvaldo Cruz, atuais terceiro e quarto colocados do Grupo 1.

A parte de baixo da tabela continua mostrando o Bandeirante, de Birigui, como confirmador do baixo poder do Grupo 1. Lanterna da própria chave e dono da pior campanha do campeonato, o time de Birigui ganha a companhia do ECUS, que só não iguala em campanha porque tem um gol negativo de saldo a menos. Pior, entre os oito com campanha mais desastrosa no certame ainda aparecem Tanabi (23.o), América (24.o) e José Bonifácio (26.o).


* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

TALENTO - Jogador revelado em Assis vira queridinho da Seleção Sub-17

Cláudio Messias*

Via de regra, os jogadores que se destacam na Seleção Brasileira Sub-17 acabam vestindo a camisa canarinho em torneios de magnitude das Copas América e do Mundo. Foi assim com, por exemplo, Neymar e David Luiz, hoje convocados por Dunga para a disputa da Copa América. E pode ser essa trajetória de Mauro Júnior, um jogador que caiu nas graças da comissão técnica das categorias de base da Seleção.

Mauro Júnior ainda vai completar 17 anos. O local de nascimento do jogador é uma incógnita. Na Federação Paulista de Futebol consta que ele é nascido em Palmital, enquanto no site da CBF é apontado Platina. Fato, mesmo, é que foi revelado para o universo do futebol pela escolinha do ex-jogador Corina. Seu futebol, hoje, interessa a clubes da Europa. Especula-se que os espanhóis Barcelona e Real Madri tenham proposta de levá-lo ainda neste ano, com plano de formação complementar para os aspectos físicos, técnicos e táticos. Até aí são meras especulações. Fato, mesmo, é que o jovem atleta já veste a camisa da Seleção Brasileira, repetindo a trajetória, por exemplo, do goleiro Jeferson, do Botafogo e titular de Dunga, revelado em Assis.

Mauro Jaqueson Junior Ferreira dos Santos, ou simplesmente Mauro Júnior, é nascido em 6 de maio de 1999. Ou seja, acabou de completar 16 anos de idade. Traz na bagagem a disputa, ano passado, do Sul-americano Sub-17, no Chile, ocasião em que o Brasil foi campeão. Nos registros da assessoria de imprensa da CBF Mauro foi definido como caçula da Seleção, por ser o jogador mais jovem, com 15 anos de idade à época

Atualmente, Mauro Junior está vinculado ao Desportivo Brasil, clube fundado pelo empresário J. Ávila e que tem sede em Porto Feliz. O jogador está inscrito no Campeonato Paulista Sub-17 e disputou 4 partidas no certame de 2015. É autor de 4 gols. No início do ano, ele disputou a Copa São Paulo de Futebol Júnior pela mesma agremiação, que o contratou em 2014, renovou contrato em 2015 e mantém vínculo até 23 de março de 2018. Já são 4 anos de vínculo com o clube.

Mauro é um meia de armação que no Desportivo Brasil joga com a camisa 10, mas que na Seleção Brasileira Sub-17 atua mais recuado, ajudando na marcação, posição semelhante à de um segundo volante. Por ironia, como fase de preparação para o Mundial Sub-17, a Seleção Brasileira enfrentou justamente ao Desportivo Brasil, dia 15 de maio, em jogo-treino. Deu Brasil, por 1x0, mas Mauro estava longe de Porto Feliz. O jogador está em viagem pela Europa, disputando torneios pelo próprio Desportivo Brasil. De 3 taças disputadas, ganhou as 3.

Mauro Júnior em treino de cobranças de penalidades na Seleção Sub-17,
no ano passado. No destaque, foto de seu registro profissional na Federação
Paulista de Futebol pelo Desportivo Brasil, de Porto Feliz


* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

domingo, 24 de maio de 2015

EU, DA ESCUTA - A rodada em que o filho chora e a mãe não ouve

COMO ASSIM?
As rádios Difusora 1160 AM, de Fernandópolis, e a 87,9FM, de Bauru, tiveram algo em comum na análise da atual composição do Grupo 1: ambas questionaram o fôlego do Vocem nesse início da Segundona 2015. O favoritismo, na retórica das emissoras, é do Grêmio Prudente, que iguala a campanha do Esquadrão da Fé mas perde nos critérios de desempate. Nos prognósticos de Bauru e Fernandópolis, cinco equipes brigam, com chances reais, pelas 4 vagas na Segunda Fase: Vocem, Grêmio Prudente, América, Noroeste e Fernandópolis. O resto é resto.

MENOS!
As análises em torno do Fernandópolis são no mínimo utópicas. O clube, que teve a capacidade de levar o técnico Venâncio em 2014, vem de uma irregularidade lamentável. Tem, reconheço, política de quem pode chegar, um dia, à Série A-3. Mas, pensa como time de Segundona e age como tal. Ao ponto de colocar a culpa do empate desse sábado frente ao Tanabi na arbitragem, e não nas falhas táticas que desde o início da temporada assolam o Fefecê. Clube que leva 300 pagantes a jogo como mandante tem, primeiro, que respeitar o trabalho de quem, com futebol, leva a massa às arquibancadas. Quem quer ser sério divulga, no ato, público e renda.

BARRIGA
Foram inúmeras as postagens e até mesmo as reportagens que dominaram redes e mídias sociais nesse sábado atribuindo a Müller, aquele, o gol contra que quase deu a vitória ao Tanabi sobre o mediano Fernandópolis. O autor do gol de abertura do placar no estádio Cláudio Rodante foi, na realidade, o zagueiro Miller Luan Barbosa Franco. Müller, de 49 anos, ficou apenas três rodadas em Fernandópolis (atuou somente em um jogo, na estreia, ocasião em que fez o gol de honra na derrota para o Grêmio Prudente), suficientes para concluir que fôlego, mesmo, ele só tem para ficar à beira do gramado. Sim, ele deixou o Fefecê para assumir a condição de técnico no futebol catarinense. Não sai, porém, da Segundona, pois comandará o Blumenau na Segunda Divisão do campeonato de Santa Catarina. Müller retorna como técnico àquele estado, onde já comandou o Imbituba. Outras experiências de treinador, dele, ficaram em Sinop, em Mato Grosso, e Grêmio Maringá, no Paraná.

REPARO
A qualidade da transmissão da rádio Fema FM melhorou significativamente no jogo América 1x3 Vocem, nessa manhã de domingo. Falta, ainda, ajuste entre a equipe que trabalha no estádio e a equipe que atua no plantão esportivo, em estúdio. Situação relacionada ao retorno, passível de ajuste definitivo para o jogo do próximo sábado, no Tonicão, no esperado confronto de líderes  Vocem x Grêmio Prudente. 

REPARO II
De novo, o resultado parcial do outro jogo, realizado em Assis, foi informado pela reportagem de campo, no Teixeirão. Ítalo Luiz foi quem alertou sobre a abertura do placar, pelo Grêmio Prudente, no Tonicão. E quando o plantão entrou para confirmar o resultado foi equivocadamente informado o segundo gol do time prudentino, na realidade resultado de lance em que a rede balançou mas a jogada foi anulada por impedimento no ataque do time visitante.

REDE
A rádio Cultura AM fez, novamente, boa transmissão do confronto no Tonicão. Destaque para a parceria com a rádio Globo AM 1380, de Presidente Prudente, que retransmitiu o sinal da co-irmã de Assis. Excelente o trabalho na locução de Cadu, reportagens de Francisco Luiz e comentários precisos e equilibrados de Victorino Neto. Os problemas técnicos das primeiras rodadas foram, aparentemente, solucionados, tornando a transmissão 'limpa'.

Emocionante ouvir o reencontro entre Augusto César e Júlio Cézar Garcia na cabine de imprensa do estádio Teixeirão, após o jogo. Júlio Garcia, o melhor jornalista da história de Assis, está em Rio Preto desde 1997, ocasião e que deixou o jornal Oeste Notícias, de Prudente. E, nesse meio tempo, passou alguns anos em Brasília, além de viajar o mundo como correspondente para publicações da grande imprensa de São Paulo.

REALIDADE
A equipe esportiva da Sinal 2 FM, de José Bonifácio, lamentou o empate de 2x2 entre o time da casa e o Osvaldo Cruz, nesse domingo. Acreditava que com um resultado positivo pudessem ser levados, no próximo jogo, no estádio Antônio Pereira Braga, ao menos 400 torcedores pagantes, contra o Noroeste, domingo que vem.

GANDULA BOCUDO
A tarde de sábado não foi nada agradável para o ECUS, de Suzano. Além de perder para o São Bernardo (0x2), em casa, no estádio Francisco Marques Figueira, ainda foi parar na súmula do árbitro Hércules Ribeiro Paulino. Um gandula, aos 30 minutos do segundo tempo, dirigiu-se ao assistente número 1, João Edílson de Andrade, e proferiu a seguinte ofensa: "você está de sacanagem, vai se foder". Foi expulso. Punição pela frente para o União Suzano, no TJD.

IDEIA DE JERICO
Aos poucos os clubes vão pagando o preço de um Regulamento sem sentido inventado pela Federação Paulista de Futebol. Hoje, no empate de 2x2 com o Olé Brasil, no tradicional estádio Palma Travassos, em Ribeirão Preto, o Amparo atuou com somente 16 atletas à disposição do técnico Rubens Vanderlei Cardoso, que não; não é cantor. O treinador que tem nome de cantor fez as três substituições na linha, dentro de 4 opções que tinha no banco. E ainda assim segurou empate jogando na casa do time que tem como proprietário J. Ávila.

IDEIA DE JERICO II
Pior situação era a do América, que recebeu o Vocem e tomou de 3 a 1. O clube de Rio Preto listou 14 atletas para o confronto, ou seja, tinha um goleiro e dois jogadores de linha como opção ou, então, três jogadores de linha. Pelas substituições feitas, não havia goleiro reserva à disposição do técnico Carlos Donizete Pereira.

DIRIGENTE BOCUDO
Tem auxiliar técnico que colabora com o treinador e o clube ficando em casa do que indo ao banco de reservas. Não bastasse a campanha irregular nesse início de temporada, o José Bonifácio ainda foi parar na súmula do árbitro Jorge Torres. Tudo porque o auxiliar técnico Jorge Washington da Silva Lima inventou de se dirigir ao jogador Luan, do Osvaldo Cruz, e dizer a seguinte delicadeza: "vai se f*der rapaz; aqui você não fala nada, vai tomar no seu c* seu merda". Foi expulso, hoje pela manhã, e estará na pauta do TJD.

TODO MUNDO BOCUDO
Quem também foi parar na súmula do árbitro foi o jogador Igor, do Vocem. Expulso aos 32 minutos do primeiro tempo, ele estava no banco de reservas quando, reclamando de marcação do árbitro Daniel Destro do Carmo, proferiu o seguinte enunciado, que consta em súmula: "marca a falta, c*ralho, vai pra put* que pariu". Suspensão e multa à vista no TJD.

TODO MUNDO BOCUDO II
Além do jogo o América ainda perdeu, antes do término dos 90 minutos de bola rolando, massagista e técnico. Banco de reservas quase vazio, portanto, quando da confirmação da vitória do Vocem. Consta em súmula do árbitro Daniel Destro do Carmo, cuja atuação foi classificada como péssima pela equipe da rádio Fema FM, que aos 34 minutos do segundo tempo o massagista do time mandante, Paulo César Lopes, reclamou da arbitragem à beira do gramado, vindo de advertência anterior pelo mesmo motivo. Aos 45 minutos finais foi a vez de o técnico ameriquense Carlos Donizete Pereira, pelo mesmo motivo, ser retirado do banco de reservas.

FÔLEGO
A maior goleada da rodada foi registrada pelo Olímpia, que recebeu o Lemense no estádio Maria Tereza Breda e aplicou 5x0 nessa manhã de domingo. Foi o único dos 15 jogos em que o árbitro, no caso, Givaldo Alves dos Santos, autorizou parada de 2 minutos no primeiro e no segundo tempos para hidratação dos atletas. Ao menos, é o único caso registrado em súmula.

PANCADARIA
O jogo Diadema 0x2 Suzano, realizado no estádio Giglio Portugal Pichinin, em São Bernardo do Campo, foi o mais violento da rodada e um dos mais faltosos da temporada. Ao todo, os dois times cometeram 51 faltas, distribuídas por 23 infrações para o Diadema e 28 para o visitante Suzano. A bola, claro, também rolou em tempo menor: 57 minutos, sendo 29 no primeiro tempo e 28 na etapa complementar. Nove cartões amarelos distribuídos, sendo 4 para Diadema e 5 para Suzano. E uma expulsão, pelo lado do Diadema.

PÂNICO NA BAIXADA
A Portuguesa Santista não perdeu só o embalo no campeonato, mas, também, a razão. O clube da Baixada tomou 3x1 da Mauaense nessa manhã de domingo, em pleno estádio Eurico Mursi, em Santos, e deixou repleta a súmula do árbitro Gilmar Pedroso Rocha, que foi auxiliado por duas mulheres: Márcia Bezerra Caetano e Tatiane dos Santos Camargo.

PÂNICO NA BAIXADA II
Logo aos 23 minutos, quando o Mauaense fez o segundo gol com Caio, um líquido foi arremessado sobre o banco de reservas da Mauaense. O árbitro também registrou o arremesso de um isqueiro no gramado, ambos por parte da torcida da Portuguesa.

PÂNICO NA BAIXADA III
A exaltação da torcida da Lusa da Baixada só aumentou e, no intervalo do jogo, para agravar a situação do clube, uma pessoa identificada como treinador de goleiros do time da casa, se dirigiu à arbitragem para contestar a anulação de um gol e a marcação de uma penalidade contra. Ficou registrado o enunciado: "Tá mal intencionado, seus porr*s, c*ralho, cacete".

PÂNICO NA BAIXADA IV
Considerando baixo o efetivo policial instalado no estádio Eurico Mursi, o árbitro Gilmar Rocha atrasou em 22 minutos o reinício da partida, no segundo tempo. No relato do árbitro, ele, suas auxiliares e o quarto árbitro Samuel Aguilar de Lima ficaram acuados, dentro dos vestiários, durante o intervalo, ouvindo torcedores da Portuguesa Santista baterem à porta com ameaças. A mesma violência teria sido praticada contra os vestiários do visitante Mauaense.

PÂNICO NA BAIXADA V
No intervalo o jogo estava 3x0 para o Mauaense e havia somente 3 policiais trabalhando no estádio. O árbitro Gilmar Rocha só autorizou o reinício da partida com a chegada de 13 novos policiais, sob o comando de uma mulher, a tenente Manuela Cristina de Souza, da 5.a Companhia de Santos.

PÂNICO NA BAIXADA VI
A árbitra assistente Tatiane Santos Camargo também fez registro em súmula. Segundo ela, no intervalo o preparador de goleiros da Portuguesa invadiu o campo, seguiu em sua direção e proferiu as seguintes palavras: "você errou o impedimento, porr*, c*ralho, cacete, você está de sacanagem".

TÊNUE
Ao menos dentro de campo os jogadores da Portuguesa perderam dignamente. Nenhum deles foi expulso e o saldo geral da partida foi de número normal de faltas, sendo 12 pela Lusinha e 22 pelo Mauaense, total de 34.

BATEDOR
A fama do Tanabi de time batedor, nessa temporada, é confirmada pelas estatísticas da Federação Paulista de Futebol. Agremiação mais faltosa do Grupo 1, havia cometido 108 infrações até o início da sexta rodada. Ontem, em Fernandópolis, o Tanabi cometeu 22 faltas, exatamente o dobro do mandante Fefecê, e chegou às 130 faltas no torneio. É recordista, também, em cartões amarelos: 24 em 7 jogos e uma expulsão. Só ontem foram 6 amarelos, ante 2 do Fernandópolis.

SEGUNDONA BRAVA - Vocem mais líder do que nunca, Assisense fora do G-4

Cláudio Messias*

A sexta rodada da Segundona 2015 foi dos visitantes. Sorte para o Vocem, azar para o Atlético Assisense. E, enfim, os caminhos rumo à classificação para a Segunda Fase começam a ser traçados.

Pelo Grupo 1 foram realizados três jogos na manhã desse domingo. Em todos eles as redes balançaram. No estádio Tonicão o Grêmio Prudente venceu o Atlético Assisense por 1x0. Destaque para o retorno, a Assis, do técnico Tupãzinho e dos jogadores Du Gaia e Kairo, agora com a camisa do time prudentino. Kairo, que há dois anos se destaca no Grêmio, foi o algoz de seu ex-clube e marcou o gol do jogo, aos 23 minutos finais.

No estádio Teixeirão, em São José do Rio Preto, o Vocem acabou com a empolgação do América. O time da casa abriu o placar aos 33 minutos iniciais, com Geninho. Carlinhos e Wiliam Goiano marcaram ainda no primeiro tempo e deram a vitória parcial ao Vocem. Os números finais vieram com Jaílton, aos 26 minutos da etapa complementar.

Em José Bonifácio o jogo teve quatro gols, todos no primeiro tempo. José Bonifácio e Osvaldo Cruz empataram em 2x2 e confirmaram uma rodada com redes balançando em todos os confrontos do Grupo 1.

Vocem e Grêmio Prudente mantêm a equilibrada disputa pela condição de melhor time não só do Grupo 1, mas da Segundona como um todo. Chegam aos 16 pontos no certame e abrem 8 pontos de vantagem em relação ao terceiro colocado, o instável Fernandópolis.

Já o Atlético Assisense sofre a terceira derrota consecutiva, queima toda a gordura construída nas três primeiras rodadas, quando chegou a ser líder da chave, e agora sai do G-4. O Falcão do Vale continua com os mesmos 7 pontos e cai para a 6.a posição na chave, atrás do mesmo Noroeste a quem venceu, na estreia, no Tonicão, por 2x0.

Rodada boa para o visitante Osvaldo Cruz, que chegou a estar vencendo o José Bonifácio mas cedeu ao empate de 2x2. Osvaldo Cruz vai a 8 pontos, iguala ao Fernandópolis, e volta ao G-4, um ponto à frente do quinto colocado Noroeste.

Futuro - A sétima rodada marca o período de decisões visando ao desfecho da Primeira Fase da Segundona 2015. No sábado, dia 30, todas as atenções voltadas para o confronto direto entre os líderes: Vocem x Grêmio Prudente, no estádio Tonicão. Quem vencer abre vantagem na condição de líder isolado da chave.

O Atlético Assisense vai a Tanabi enfrentar aquele que até aqui é o time mais faltoso do Grupo 1 (até a rodada anterior o Tanabi havia cometido 108 faltas, em 5 jogos). O jogo será realizado na manhã do domingo, dia 31, no estádio Alberto Victolo, em Tanabi. Esse confronto também vale o destino das duas equipes na briga por uma vaga no G-4, já que ambas somam os mesmos 7 pontos.

Bom ficar de olho, também, em outros dois confrontos da chave. No mesmo horário, no domingo, jogam José Bonifácio x Noroeste e Osvaldo Cruz x Fernandópolis. O José Bonifácio pode, com uma vitória e dependendo do cruzamento de resultados, entrar no G-4 ao passar, em números, o Noroeste, desde que haja vencedor no confronto em Osvaldo Cruz.

Por fora, o jogo Bandeirante x América, em Birigui, no mesmo horário, é imprevisível. O mandante Bandeirante, dono da pior campanha do ano na Segundona, pode iniciar reação, mas mesmo vencendo não sai da lanterna do Grupo 1. Já o América, que perdeu em casa para o Vocem, caso seja mais um a vencer o Bandeirante chegaria aos 9 pontos e dependeria da existência de um vencedor entre Osvaldo Cruz x Fernandópolis para chegar ao G-4.

Crédito - Acompanhei o desfecho da sexta rodada da Segundona nas transmissões simultâneas das rádios Fema FM e Cultura AM, de Assis, e Sinal 2 FM, de José Bonifácio.



* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

CREPÚSCULO - Líderes, Vocem e Grêmio Prudente vencem fora


SITUAÇÃO DE MOMENTO - Grêmio Prudente abre o placar no Tonicão, Vocem amplia em Rio Preto


INTERVALO - Vocem abre vantagem, Assisense continua no G-4

Cláudio Messias*

Terminadas as primeira etapas dos três jogos que fecham a sexta rodada da Primeira Fase da Segundona 2015 pelo grupo 1, poucas alterações foram feitas na tabela de classificação. Destaque para o distanciamento do Vocem em relação ao Grêmio Prudente, já que o Esquadrão da Fé, no momento, soma 16 pontos, ante 14 do rival de Presidente Prudente. 

Rodada boa, também, para o Atlético Assisense, que segura o vice-líder Grêmio Prudente e com o cruzamento de resultados mantém a quarta colocação, dentro da zona de classificação para a Segunda Fase. No estádio Tonicão, segundo avaliação da equipe esportiva da rádio Cultura AM, jogo igual.

A permanência do Atlético Assisense no G-4 decorre do empate de 2x2 entre José Bonifácio x Osvaldo Cruz. O Falcão do Vale, com esses dois empates, mantém a quarta colocação favorecido pelos critérios de desempate.

Em São José do Rio Preto o jogo também é equilibrado, na avaliação da equipe esportiva comandada por Augusto César e Carlinhos Perandré, na rádio Fema FM. Visitante ingrato, o Vocem aproveitou com competência as duas oportunidades que teve e segue, até aqui, invicto na temporada.




* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

SITUAÇÃO DE MOMENTO - Vocem vira o jogo em 3 minutos em Rio Preto

Rodada de muitos gols nessa manhã de domingo pela sexta rodada da Primeira Fase da Segundona 2015 do Campeonato Paulista. A bola rola em três confrontos do Grupo 1. Só no jogo Atlético Assisense x Grêmio Prudente a rede ainda não balançou, decorridos, agora, 40 minutos da etapa inicial.

No estádio Teixeirão, em São José do Rio Preto, o América abriu o placar contra o Vocem através de Geninho, aos 30 minutos. O Vocem chegou ao empate com Carlinhos, aos 34 minutos, e virou com o zagueiro Goiano aos 36.

Em José Bonifácio, outro jogo eletrizante. O Time da casa abriu o placar e em seguida recebeu a virada para 2x1, mas teve força para reabilitar em antes dos 30 minutos deixar tudo igual em 2x2.


SEGUNDONA BRAVA - Bola rola nos 3 jogos que fecham a 6.a rodada do Grupo 1


sábado, 23 de maio de 2015

SEGUNDONA BRAVA - Fernandópolis empata no final e segura vaga no G-4

Cláudio Messias*

O desenrolar do jogo foi dramático, mas no final o Fernandópolis conseguiu escapar do pior. Instável, o Fefecê viu o rival regional Tanabi abrir o placar aos 17 minutos do primeiro, em um lance que a Rádio Disufora AM 1160, de Fernandópolis, definiu como sendo de extrema infelicidade do zagueiro Müller. Em jogada de linha de fundo do Tanabi a bola foi cruzada na área e Müller, comumente confundido com o famoso e veterano Müller, ex-São Paulo, Corinthians e Santos, mandou para o fundo do próprio gol. Apenas para registro: Müller, o veterano, ficou apenas três rodadas em Fernandópolis, deixando o projeto do Fefecê para ser técnico no futebol gaúcho.

Os comentários da equipe esportiva da Difusora AM 1160 mostram um Tanabi que foi melhor em campo, desperdiçando várias oportunidades de ampliar o placar. Mas, o Fernandópolis também teve suas chances, e duas penalidades definidas pelos radialistas da casa como passível de ser assinaladas. O gol de Jean Pierre, aos 39 minutos, fez jus àquilo que as duas equipes apresentaram, mesmo o Tanabi jogando os últimos 10 minutos com um atleta a menos (Henrique foi expulso aos 37 minutos finais).

Com o ponto somado o Fernandópolis não só mantém-se no G-4, como consolida-se na terceira colocação do Grupo 1, com 8 pontos, deixando o bloco de 4 clubes que somam 7 pontos: Tanabi, Assisense, Noroeste e Osvaldo Cruz, que nos critérios de desempate tentam ocupar a quarta vaga na chave, hoje com o Falcão do Vale. Já o Tanabi, por estar com esses 7 pontos, saiu da sétima e foi para quarta colocação, tirando do G-4 o Atlético Assisense.

O Fernandópolis vai a Osvaldo Cruz e faz confronto direto com o time local pela permanência no G-4. O jogo será realizado no domingo, dia 31, no estádio Breno Ribeiro do Val. Já o Tanabi faz clássico com o Atlético Assisense, em casa, também às 10 horas do próximo domingo, dia 31.

Não houve, novamente, divulgação de público e renda em mais um jogo realizado no estádio Cláudio Rodante, em Fernandópolis.





* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.