Jovem Pan Online - RSS

terça-feira, 29 de outubro de 2013

FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA - 29OUT2013



GANCHO

A Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura, do Ministério da Cultura, publicou na semana passada a lista de pessoas físicas e instituições que não cumpriram com a prestação de contas por recursos públicos recebidos dentro do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac). Alguns agentes de cultura e instituições sem fins lucrativos ficam, a partir da publicação feita no Diário Oficial da União, três anos sem poder participar de qualquer processo no MinC.

GANCHO II

Entre as instituições que aparecem na lista de prestadores irregulares de contas está a Fundação Nova América. Segundo a Secretaria da Cultura do MinC, as contas referentes à organização do evento Cristal in Concert, em 2004, não foram acertadas devidamente. Com isso, é aplicada a sanção administrativa de enquadramento por inadimplência. A publicação consta na seção 1, página 16, da edição número 207 do D.O.U, de 24 de outubro de 2013.

COCHILO NO PONTO

A bandeira Burguer King, principal concorrente da rede Mac Donalds nos últimos anos, tende a abrir em Assis primeiro do que a algoz. Dois pontos são estudados: um na Rui Barbosa, proximidades da Catedral, outro no Plaza Shopping. O mercado imobiliário aposta na segunda opção. Funcionamento em dezembro, antes da abertura do comércio à noite.

MANDA QUEM PODE...

Um tradicional clube da cidade teve noite de barraco semanas atrás, na sauna. Com o setor fechando às 22h00, uma figura da cidade baixou depois de tudo fechado, aproveitou-se da ausência de controle no balcão de atendimento e entrou, deleitando sozinho do serviço já encerrado. E lá se foram dias e mais dias de discussão sobre bom senso, normas que não funcionam para todos, etc...

... OBEDECE QUEM TEM JUÍZO

Reuniões feitas, assunto discutido, veio a decisão. Claro, a sauna passou a funcionar meia hora mais cedo e fechar uma hora mais tarde. Normas são normas. Ou não?

ESTACA ZERO

Com o fiasco do projeto de 2013 o Fernandópolis não demorou para antecipar as mudanças. E começou com a presidência, que agora é comandada pelo empresário Álvaro Zonta. Comissão técnica totalmente reformada, agora é hora de contratar. Onze reforços foram anunciados e uma lista de nomes que interessam ao Fefecê tem nomes que passaram por Assis no campeonato da Segundona. Para 2014 o Fernandópolis quer o volante Fernando e o meia Kairo.

DAR A CÉSAR

A Catedral de Assis passará por complexa reforma. O visual terá pintura nova e um sistema de iluminação que o competente arquiteto César Abreu anuncia como surpreendente. O projeto do profissional é solidário, ou seja, é mais um cidadão que abre espaço em sua agenda e preenche com ações que contemplam o todo e acariciam não só o ego, mas a alma em si.

MUDO

A Cabonnet fez ampla campanha para anunciar a enésima reestruturação de sua grade de canais, distribuída por pacotes. A partir dessa segunda-feira a Globo saiu do canal 13, da TV Tem, e passou para o 8. Mas, só a imagem foi para o canal 8, pois o som ficou perdido em algum lugar. O problema foi solucionado já com o programa Mais Você, de Ana Maria Braga, caminhando para o final.

VIOLÊNCIA

Figura conhecida e querida por muitos, o ex-radialista Márcio Bainho Grilli, proprietário da Banca Bandeira, em frente à Praça da Bandeira, manifestou nas redes sociais sua preocupação com um fator que há meses tira o sono das autoridades policiais da cidade: a onda de assaltos nas imediações das casas que um dia serviram aos funcionários da Fepasa.

VIOLÊNCIA II

Com a abertura do estacionamento que substituiu parte do pátio de manobras da ferrovia os marginais passaram a agir à luz do dia, encontrando pontos fáceis de fuga. Mas o problema não é localizado exclusivamente naquelas imediações. Em todas as regiões de Assis as abordagens de homens armados têm sido frequentes, em muitos casos, como ocorrências simultâneas e pontos distintos da cidade.

FORA DA PAUTA

Um grupo de 40 estudantes da escola estadual Carlos Alberto de Oliveira iniciou na semana as interações, em tandem, com jovens norte-americanos. Através do Centro de Línguas e Desenvolvimento de Professores da Unesp/Assis os alunos da escola pública praticam o inglês em laboratório de informática montado especificamente para a parceria. Nas interações, ora os jovens assisenses ensinam língua portuguesa, ora aprendem sobre a língua inglesa. Escola pública dentro da universidade pública.

NO PODER

Muitos entendem como demagogia, mas quem convive há décadas com Reinaldo Nunes, o Português, sabe que a iniciativa dele, de promover um evento que implique em benefícios diretos e indiretos ao músico Bell, ex Mac Rybell, é natural de sua personalidade. O petista está mobilizando a classe artística da cidade em prol do evento denominado "Cantando com os amigos do Bell", que já tem parceria com a FAC. O que for arrecadado vai para Bell, atualmente interno no Asilo São Vicente de Paulo

NO PODER II

Postagem feita por Reinaldo Nunes nas redes sociais mostrou foto em que Bell  aparece sorridente e com cabelos brancos. Muitos ficaram surpresos com o fato de o músico estar em um asilo. Com saúde frágil, Bell precisa de tratamento dentário urgente, conquista que deve vir com a promoção do evento musical organizado por Português. A intenção, também, é, além de pagar parte do tratamento odontológico, ajudar na reforma do telhado do asilo, destruído por um vendaval no mês passado.

FORA DO PODER

Com perfil igual ao de Português, o ex-vereador José Fernandes não interrompe seus projetos sociais, mesmo não estando mais na Câmara. Do próprio bolso, arca com despesas de viagens a São Paulo e até mesmo Brasília, trazendo para Assis e outras cidades da região conquistas como moradias para a zona rural, além de investimentos no cooperativismo que caracteriza a agricultura familiar que dá base à Aprumar, instituição que ajudou a fundar.

CÁ ENTRE NÓS...

... dez meses não foram tempo suficiente para o prefeito dos 15 mil votos conseguir organizar as frentes de limpeza da 28ª melhor cidade do país para se viver?

IMAGEM DA SEMANA



LÁ DE CIMA - O piloto Renato Fernandes fez uma imagem literalmente das alturas da cidade de Assis. Comandando voo São Paulo>Presidente Prudente pela Gol Linhas Aéreas, da cabine do Boeing ele registrou, na paisagem, a cidade onde passou parte de sua vida. Renato estudou em Assis, mais precisamente na escola Clybas e no colégio Diocesano. Hoje, mora em São Paulo.



terça-feira, 22 de outubro de 2013

DONO-DE-CASA - Pergunte se é Friboi e... não compre!

Cláudio Messias*

Aqueles que acompanham o Blog desde janeiro de 2013, quando retomei as postagens quase diárias (para maiores detalhes esse resgate do projeto, leia, por favor, meu perfil na seção "A opção pelo Blog"), já sabem que sou metido a cozinheiro e, portanto, dou meus pitacos e conselhos sobre o dia a dia nessa tarefa que é arte, mas, também, responsabilidade diária de preparar refeições ora rápidas, ora mais trabalhadas. Hoje, nesta postagem, vou mais dar dica e orientar do que necessariamente ensinar como faço algo. Quem quiser considerar um desabafo, pode assim definir.

Meses atrás cedi ao bombardeio da propaganda da marca Friboi nas emissoras de televisão. Em passagem pela gôndola de carnes do Avenida Max, hipercenter situado em Assis, brilhei os olhos com aquele preço em etiqueta vermelha que anunciava o quilo da picanha a R$ 22. Picanha Friboi embalada a vácuo com preço bem abaixo dos R$ 35, R$ 40 que costumava esporádica e raramente pagar pelo mesmo tipo de carne. Duas peças no carrinho e, claro, churrasco já na chegada em casa, mesmo não tendo programado. Aproveitar a promoção e não desperdiçar o momento de levar a carne fresca à grelha.

Quando abri a embalagem já senti algo estranho em dois fatores. Primeiro, a peça de carne era delongada demais, uma vez que a peça de picanha costuma ser mais curta (algo em torno de no máximo 30 centímetros de cumprimento). E além de achatada, fina, continha nervos e uma camada de membrana que eu não recordava ter visto em picanhas até então. Mas, não bastasse isso, a coloração da carne era o que mais estranheza causava. Explico.

Essas carnes embaladas a vácuo realmente têm suas vantagens. Primeiro, a embalagem, feita de plástico de espessura elevada, reduz o risco de contaminação do alimento durante o trajeto entre o abate do animal e a disposição dos tipos de carne nos balcões frigoríficos ou gôndolas refrigeradas. Nada disso é exclusividade da Friboi, pois de Bertin a Frigol e Aurora, inúmeros fornecedores de carnes já adotaram o mesmo procedimento de embalar a vácuo.

Acontece que nessa embalagem a vácuo a carne, sem oxigênio, fica mais escura que o normal (alguns amigos meus têm restrição a esse tipo de embalagem porque têm a sensação de que o boi é velho ou a carne está vencendo). Mas, basta observar que depois de rasgada ou cortada a embalagem, a carne fica mais clara em questão de segundos, ganhando aspecto de fresca. Resultado, claro, do contato do material com o oxigênio, enfim, fatores químicos ou biológicos que não domino e, portanto, não tenho autoridade alguma para detalhar.

O que acontece é que aquelas peças de picanha Friboi que comprei estavam, ao contrário, claras demais. E depois de abertas as embalagens, tinham textura semelhante à de carne de porco, de tão clara. E é nessa hora que a propaganda entra na nossa cabeça feito um tiro esfacelador de massa encefálica. Você ouve e vê com tamanha frequência o peludo Tony Ramos tornando a carne Friboi inquestionável que ignora seus próprios conhecimentos culinários,advindos de uma rotina de mexer com carne há anos, e põe credibilidade total na bendita picanha cuja procedência é, no discurso midiático do consumo, legítima.

A única coisa nesse processo todo que não foi legítimo foi o prazer de cortar as fatias de picanha já assada, assim como degustar. Consistência dura demais para ser picanha, uma vez que as fibras mal passadas resistiam à passagem da lâmina da faca Tramontina impecavelmente amolada. Segunda estranheza e Tony Ramos começou a entrar na minha alça de mira.

Ninguém aqui em casa é bobo para não saber distinguir picanha de outro tipo de carne. E todos, claro, colocaram os pedaços fatiados de picanha em seus pratos, na expectativa de sentir o sabor peculiar desse tipo nobre de carne bovina. Àquela altura éramos em 4, querendo pegar Tony Ramos aos pelos e iniciar depilação com  pinças. Não, aquilo não era picanha nem aqui, nem na China.

Como as embalagens haviam sido lavadas mas jogadas em meio ao material reciclado depois dispensado na coleta seletiva, não quis recolhê-las e levar o caso adiante, até porque aquilo significaria separar a carne já assada e pronta, descongelar outro lote, temperar e esperar o período de assar. 

Comemos qualquer outro tipo de carne, dura, com nervos, menos picanha. Podia ser um acém ou até mesmo uma fraldinha, mas picanha não era, jamais. Era Friboi.

Em circunstâncias como essas tomo a mais severa das decisões: não compro mais. Simplesmente, passei a ignorar a marca Friboi nos supermercados que frequento. Só de Tony Ramos a emoção mudou um pouco, passando de raiva a ódio a cada vez que assisto aquela enjoativa propaganda na TV ou vejo anúncios de meia página na Folha mostrando a cara-lavada dele.

Hoje, contudo, deparei com uma embalagem Friboi no freezer. Nessa história de ir em família ao supermercado e delegar compras a cada um dos 4 Lopes Messias, alguém esqueceu da restrição à Friboi e cá trouxe uma peça de fraldinha. Não dava 1 kg do jeito que saiu da embalagem a vácuo. Mas, fosse passar nas mãos de um açougueiro do Avenida Max, com certeza viria mais leve (ou menos pesada, como prefira).

As hábeis e honestas mãos de açougueiros que lidam com a carne do Avenida Max à frente dos olhos da clientela não permitem que uma fraldinha chegue numa casa nas condições em que a cozida hoje, em casa, chegou lacrada pela embalagem a vácuo da Friboi. Dessa vez, não estraguei a embalagem, nem temperei antes de registrar tudo em fotos.

Não temos balança em nossa cozinha e, portanto, não sei precisar o quanto de sebo, nervo e membrana tirei dos cerca de 900 gramas que vieram na embalagem da fraldinha Friboi. É pouco, não é muito. Mas, antes que digam que sou preciosista, detalhista e mesquinho, ressalto que esse tipo de sobra não tem de vir para a casa do cliente, pois foi paga. Sobra desse gênero é descartada na origem. A dona Friboi, portanto, deveria ter feito a limpeza dessa carne antes de embalá-la a vácuo.

Na razão do capitalismo, 50 ou 100 gramas de sebo, membrana e nervo daqui, outros 50 ou 100 gramas dali e lá está o grosso da camada de consumidores pagando por aquilo que deveria ter ido para fábricas de ração para cães ou mesmo para a sopa dos donos da Friboi, menos para a nossa mesa.

Fiz o registro das fotos, que estão aqui postadas. Cada um tire a sua conclusão pelo que exponho dessa fraldinha que, ao contrário da 'picanha' anteriormente narrada, realmente tinha sabor de fraldinha e estava muito boa depois de pronta (frita com tempero de alho, cebola, um fio de óleo de canola e pitadas mínimas de sal e pimenta do reino moída). No meu caso, depois de duas experiências terríveis com a marca Friboi, vou esperar o tempo passar, verificar o que de denúncias tende a ser feito nos órgãos de defesa dos consumidores e, então, analisar se valerá a pena ou não voltar a consumir os produtos da marca que, ressalto, antes do bombardeio de propaganda na TV, jamais havia me causado problemas ou estranheza no consumo.

Finalizando, esclareço, também, que nossa família iniciou, em abril de 2012, uma redefinição do cardápio, de maneira que consumamos mais frango do que bovinos. Isso, agregado ao monitoramento dos preços no setor de açougue dos supermercados (por exemplo, há algumas semanas está mais viável, financeiramente, comprar suínos e frangos do que bovinos e peixes). Daí a explicação para o fato de pouco estarmos expostos ao bombardeio de apelos da marca Friboi nesses setores dos supermercados.


Fotos: Blog do Messias
A peça de fraldinha e sua parte da frente (ou de trás, como preferir)


A peça de fraldinha e sua parte de trás (ou da frente, como preferir)


No alto, à direita, perceba que por ali passou um 
facão de limpeza, que não chegou ao 'bico' de baixo


Caso o facão de limpeza fosse usado devidamente, 
teria tirado essa mistura de sebo e membrana da carne (separado em pedaços)



Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP.

CAUSOS DA SUCUPIRA DO VALE - Fumou bosta de cavalo seca e sentiu "barato"

Cláudio Messias*

O cumprimento ao serviço militar obrigatório eu defino como três momentos distintos da vida de um homem. O primeiro é de raiva por ser obrigado a ficar submetido a normas que, rígidas, pouco ou nada contribuem para o seguimento da vida. O segundo é de ódio, por ficar um ano inteiro dessa mesma vida submetido à rotina de acordar de madrugada e, por escala, passar o final de semana no quartel. O terceiro e mais contraditório desses momentos é marcado pela saudade desse tempo que, afora a doutrina militar, torna grupos de jovens verdadeiras famílias.

Essas três circunstâncias a que refiro são meu ponto de vista e, óbvio, há quem curta o serviço militar. Conheci pessoas que não viam a hora de completar 18 anos e cumprir com o alistamento na Junta Militar. Outros, faziam do décimo nono ano de vida, de cumprimento do serviço, aquele que parecia o mais importante de suas passagens por essa terra, com direito farda engomada, fivela de cinto reluzente à ouro (essa crase está correta, pois remete ao estilo do metal) e coturnos impecavelmente engraxados e lustrados. Barba, então, parecia nem existir naqueles rostos à bunda de nenê, tamanha era a perfeição do barbear.

Fiz o Tiro de Guerra no ano de 1989. Um ano antes eu passei pela seleção e, torcendo para não precisar mentir e, assim, conseguir liberação, fui ficando entre os militariáveis. Quando vi que estava no grupo que passaria pela perícia do dr. Marcos, médico japonês conhecido clínico geral da cidade, sabia que raspar a cabeça no Salão Candota era questão de tempo. E foi, pois em fevereiro de 1989 lá estava esse que vos escreve, pegando uma farda nova, outra usada, duas camisetas, um par de coturnos, um cinto com fivela de cobre e um boné.

Na primeira instrução soube que estava na Primeira Turma, chefiada pelo Sub-tenente Barcarollo, por sua vez comandante do Tiro de Guerra 02-046. Era 6 horas da manhã e no pátio do TG estavam perfiladas as três turmas que totalizavam 80 atiradores, chefiadas, além de Barcarollo, por Farinon e Souza Dias. Cada um dos chefes de turma transitou por entre os atiradores e olhou fixo na cara de todos. Os três militares maiores afastaram-se da tropa, dialogaram, ficaram ora olhando para um ou outro jovem ingressante, ora concentrando-se na conversa e, então desfizeram o grupo. Estavam escolhidos os monitores de cada turma, também conhecidos como cabos. Eu, para desespero, era um deles.

Naquele ano eu tinha uma moto marca Honda, modelo Turuna, ano 1980, vermelha. Meses antes um larápio a havia roubado em frente à casa de uma namorada, na Vila Glória, mas a abandonou atrás da antiga CAIC, perto da rodoviária, sem algumas peças. Entre as peças furtadas estavam as tampas laterais, que além de estética tinham por função proteger a calça dos motociclistas da água de bateria, corrosiva. Claro, com uma semana de TG minha calça da farda 2, mais velha, primeiro ficou descolorida na região onde respingara o ácido de bateria. Depois, um verdadeiro buraco ali se formou, exigindo intervenção das hábeis mãos costureiras de minha mãe, dona Luzia.

Para um cabo, ou seja, um monitor, concebido pelo militarismo como líder, não ficava bem uma farda remendada. Mas, para quem estava fazendo o Tiro de Guerra forçado, a contragosto, estava de bom tamanho. Principalmente porque o chefe da turma, Barcarollo, passou o ano inteiro sem notar buraco, remendo e outros tipos de desleixo no uniforme de um daqueles que escolhera para ajudar a comandar a tropa. Ele, o comandante, que nas visitas noturnas que fazia ao TG batia continência e conversava com a estátua de Caxias, além de tecer altos e duradouros diálogos com um personagem imaginário em sua sala, parecia não ligar para esses detalhes, digamos, estéticos, que não escapavam à observação de seu substituto hierarquicamente imediato, Farinon, que certo domingo, durante passagem de guarda, definiu-me, pelo aspecto geral (farda remendada, fivela do cinto sem polir, coturno sujo e barba por fazer), como "lixão". Vã definição, pois ele continuou militar, naquela rotina diária, e, depois, nos tornamos amigos na relação imprensa/Tiro de Guerra e rimos relembrando esse e outros episódios.

Aliás, episódio é o que não falta nessa curta passagem pelo serviço militar. Alguns mais dramáticos, como a perda de três amigos de turma naquele ano de 1989, outros mais irônicos, registrados praticamente a cada dia de instrução ou a cada plantão de guarda que viravam a madrugada. Nesse ínterim, pessoas que se conheceram naquela passagem pelo TG e depois tornaram-se amigos o suficiente para ser padrinhos de casamentos e de batizado de filhos que vieram. Ou, ainda, atiradores que foram expulsos do serviço por motivos diversos, outros que se formaram, pegaram a reservista e, na vida que seguiu, também despediram-se da terra em mortes das mais variáveis naturezas.

São tantas as histórias que ficaríamos, aqui, centenas de parágrafos fazendo as narrativas. Fossem esses episódios divididos em postagens, renderiam, reunidos, um livro ou uma série com pelo menos 20 capítulos. 

Prefiro citar uma engraçada, pois nesse rol de causos há relatos de todos os gêneros, passando do humor ao drama, da violência psicológica à agressão física, da felicidade à tristeza.

Um acontecimento recente, na cidade, fez-me recordar de Sassá, um atirador que mostra bem a complexidade da origem daqueles selecionados para cumprir com o serviço militar em uma cidade, como era o caso de Assis, com pouco mais de 80 mil habitantes. Filho de agricultores, ele vinha de uma propriedade rural entre Assis e Cândido Mota. Seu apelido devia-se ao personagem interpretado por Lima Duarte na novela O Salvador da Pátria, da Globo. Nosso colega de turma falava muito parecido com Sassá Mutema e, não bastasse isso, marchava lembrando os trejeitos de outro personagem da ficção e do folclore nacional, Mazzaropi.

Em uma definição simples, sem remeter a caretices científicas, da academia, Sassá, nosso amigo, era um caipira legítimo. Tinha sua dificuldade de expressão em público, quando falava não conseguia conjugar todos os verbos e, por fim, abria mão do emprego de plural ou concordâncias verbal e nominal em seus enunciados, o que fazia com que seu estereótipo fosse complexamente estabelecido pelo grupo. Seu arquétipo, ou seja, a construção feita a partir da observação atenta, imagética, de suas particularidades pelo mesmo grupo, era menos danoso, pois Sassá, além de forte fisicamente, tinha uma inteligência invejável e uma capacidade de raciocínio rápido que causava inveja.

Fui comandante de guarda em alguns plantões com Sassá. E saquei, logo no início, que sua timidez o travava quando tinha de se expressar em grupo. Em diálogo simples, ao contrário, contava sobre sua vida no campo, sobre seus sonhos e seus projetos. Não estudava, por dar preferência ao trabalho de ajudar ao pai no sítio. E não tinha vaidades materiais. Quis fazer o Tiro de Guerra por questões de orgulho pessoal e, para escapar da liberação de dispensa por excesso de contingente, garantiu que teria onde ficar, em Assis, durante os 9 meses de serviços diários. Ficava, sim, nas casas de uma tia e uma avó, ali mesmo, nas imediações, mas só no início. A vida urbana o assustava e, com os meses, passou a fazer a rotina de pular da cama ainda mais cedo, antes do sol nascer, pegar o ônibus da J.F. Garcia e chegar ao TG antes mesmo do que todos os que em Assis residiam fixamente.

A exemplo do personagem da novela, o Sassá do Tiro de Guerra tinha uma "professorinha", ou seja, uma paixão imaginária. A mim, pelo menos, nunca confidenciou de quem se tratava. Mas, vivia dando suspiros profundos quando as conversas nas rodas em frente ao portão de acesso ao Tiro de Guerra, nas noites quentes de guarda, giravam em torno de projetos que cada um tinha para o futuro. Claro, cada um sonhava ser um profissional, mas ao lado daquelas que, namoradas à época, queriam que tornassem-se esposas. Alguns, como no meu caso, concretizaram isso e têm como mãe de seus filhos a mesma companheira de juventude da época.

Já no segundo semestre, quando todos contavam os dias para acabar o calendário militar encerrado no dia 19 de novembro, Dia da Bandeira, Sassá, em uma guarda de sexta para sábado, não suportou a amargura do amor recolhido e disse que sairia, pelas redondezas, para beber uma dose de branquinha. Óbvio que consumir bebida alcoólica naquele ambiente era e é proibido. Pior ainda, abandonar o posto e sair para beber, como queria Sassá. De prontidão, contudo, meus amigos de plantão quebram-me o galho, evitando que um atirador abandonasse o plantão (não que isso nunca tenha acontecido naquele ano) e retornasse embriagado. Fizeram, pois, uma sugestão ao apaixonado colega que apesar dos sarrinhos, era muito respeitado e considerado por todos da Primeira Turma.

Em vez de sair para beber pinga, seria melhor Sassá fumar um baseado. Sim, um beque. Essa foi a sugestão/proposta do pessoal, deixando-me em situação ainda pior. Afinal, se bebida já daria punição severa ali, imagine droga! Mas, calma. Dois atiradores saíram da sala de plantão da guarda, enquanto os demais continuaram conversando com Sassá. Os que saíram pularam o baixo muro da frente do Tiro de Guerra e, na rua, recolheram bosta de cavalo que havia dias ressecava sobre o asfalto. Um pedaço de jornal levado por plantonistas de outras turmas completou o que seria, caso real fosse, o maior baseado da história, de fazer inveja de Hendrix a Cliff.

Claro que entre 80 atiradores um ou outro avançava além do vício da cachaça de Sassá, da cerveja minha e da maioria e da erva proibida. Se faziam uso no plantão, difícil saber, pois isso ocorreria fora do olhar da maioria. Mas ali, na frente de um Sassá que suspirava apaixonado sabe-se lá por qual professorinha imaginária, os dois colegas que saíram disseram ir realmente buscar a erva. Trouxeram aquele monte de ciscos que à noite era mais cinza do que esverdeado e começaram a socar dentro de pedaço retangular de papel. Ritual idêntico ao de preparo de um beque legítimo, deram o tufo a Sassá e recomendaram: vá para um lugar isolado, sente-se ao chão e fume, encostando a cabeça na parede, para curtir.

Sassá imediatamente pegou o "beque" de bosta de cavalo seca imaginando que era erva proibida e dirigiu-se ao vestiário anexo ao alojamento do plantão das guardas. Confesso fumante de cigarro de palha, não teve dificuldade para tragar. Mas isso tudo já é imaginação, pois não víamos o colega fumando o tufo. Preferimos ficar do lado de trás da parede, apenas ouvindo e, assim, evitando que nossa presença o inibisse.

Sassá deu um primeiro trago profundo no que imaginava ser um beque. Continuou sussurrando com palavras que remetiam a uma "danada que não me quer", etc. Mas, de repente, ali pela terceira ou quarta tragada, começou a falar para si mesmo que estava correndo um arrepio por todo o corpo. E perguntava: "caramba, o que é isso, meu?!". Nossos risos deram lugar a semblante de preocupação. Afinal, o que ocorria com Sassá? Seria bosta de cavalo seca um tipo de entorpecente perigoso ao ponto de colocar a vida do colega em risco? Resolvemos esperar.

Mais uma tragada e Sassá começou a variar. Dizia bem alto: "cara, deu barato!". Com palavras desconexas, continuava tragando e falando coisas nada-a-ver; algo do tipo "tô doidão...!". Do lado de trás da parede, cada um de nós olhava intrigado para o outro, não entendo nada e desconfiando do teor do tal do beque. Ao passo que os dois que foram buscar o material, na rua, garantiram que o negócio fora retirado do asfalto, que ainda estava quente do sol que havia feito na tarde anterior. Eles, os responsáveis, aliás, juraram, depois, que nunca haviam sequer visto, in loco, a tal erva proibida, quiçá providenciado aquela porção lançada no suposto beque genérico.

A preocupação substituiu a brincadeira e, então, decidi, como chefe da guarda, ir até Sassá e contar que tudo aquilo era uma brincadeira. Quando saí da sala de banho e entrei no vestiário vi o colega sentado ao chão, encostado na parede, pernas esticadas e cabeça levantada como que se olhasse para o teto. Ele não nos enxergava, apenas via. E continuava tragando o que já era um pequeno toco restante. Comportava-se, realmente, como alguém que, sob alucinação provocada por algo entorpecente, sequer sabia onde estava.

Tratei de tirar o toco de 'cigarro' da mão dele, o levantamos e colocamos no beliche do alojamento. Ali Sassá ficou até 5h30, horário em que o sargento Farinon mediava a rendição, pela Segunda Turma, da guarda. Aquele sono profundo intrigou a todos, principalmente pelo fato de no dia seguinte, mesmo tendo dormido horas a fio, Sassá continuava esquisito. Afinal, tinha o sono mais leve entre todos e era conhecido como companheirão de guarda, pois conversava e contribuía para manter acordados os soldados que guardavam a entrada principal do Tiro de Guerra.

Que aquilo, no beque, era bosta de cavalo seca, tenho certeza. Mas, anos depois, ouvi a confidência de colegas daquele plantão que, curiosos, acabaram fazendo o teste com igual dejeto equino. Sem, contudo, repetir o efeito imaginado.

Nem adianta desconfiar de mim nesse time de curiosos pois, avesso a cigarro, o risco de aventurar-me a queimar bosta de cavalo em busca de novas emoções é nulo. Mas que continuo, até hoje, intrigado com aquele efeito do falso beque, ah, isso continuo.


*Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP.


segunda-feira, 21 de outubro de 2013

FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA - 21OUT2013




AFORA

Compromissos fora de Assis tiraram-me também do Blog nos últimos dias. A ausência coincidiu com o desfecho da participação do Clube Atlético Assisense na Segundona de 2013. A vaga na Série A-3 não veio, assim a resposta da ouvidoria da Federação Paulista de Futebol a uma série de questionamentos que fiz nas últimas semanas. O que uma coisa tem a ver com a outra? Tudo. Explico, por partes.

AFORA II

Minha interação com a ouvidoria da Federação foi bem até a terceira fase da Segundona. Bastou, contudo, aquele fatídico jogo Assisense 1x2 Cotia e as respostas formais vindas da Federação, que antes eram praticamente imediatas, cessaram. A quem não se recorda, o volante Fernando, do Assisense, foi expulso por uma agressão que jamais aconteceu e em circunstâncias em que o árbitro da partida alega ter sido comunicado pelo auxiliar 2 sobre o lance de violência. Nenhuma câmera registra nem a suposta agressão de Fernando, nem o árbitro comunicando-se com o auxiliar. O registro está em súmula, que é preenchida após a partida, talvez no vestiário.

AFORA III

Meu mais recente questionamento à ouvidoria da FPF é relacionado ao surgimento da tal quinta vaga de acesso da Segundona à Série A-3 em 2014. Não fica claro, no regulamento das competições, se o quinto colocado a ser convocado para o acesso é aquele com 5ª melhor campanha em todo o campeonato ou se na quarta e última fase. Silêncio total da ouvidoria, que não cumpre, assim, o papel que lhe compete. Vida que segue, pois, sinceramente, a ouvidoria é mais um dos inúmeros serviços da FPF que, fracos, mais confundem do que colaboram com elucidações.

AFORA IV

O sonho com a tal quinta vaga na A-3 ruiu concomitante à ausência de resposta da ouvidoria da FPF. No caso do Assisense, a sonora goleada sofrida para a Inter, em Bebedouro, anulou qualquer possibilidade de chegar ao quinto melhor desempenho, seja no campeonato como um todo, seja na quarta fase. Nem considerando os dois jogos a menos da equipe de Assis em relação aos demais 6 outros participantes da quarta fase (o Tupã também tinha dois jogos a menos), ou seja, por índice de aproveitamento, o Falcão do Vale não atingia o quinto melhor desempenho.

AFORA V

Alguns raros e excetos leitores fizeram postagens nas redes sociais questionando a ausência de posicionamento do Blog sobre a eliminação do Assisense na reta final, repetindo o "quase" do time em 2004. E como a derradeira postagem, cá no Blog, mostrava aguardo de resposta da ouvidoria da FPF, houve brecha para entendimento de que eventual pressão vinda da Federação fizera com que o canal fosse tirado do ar. Enfim, conclusões equivocadas. O Blog continua no ar, com o mesmo propósito. Se isso é bom ou ruim, compete a cada um interpretar. Aqui, de minha parte, faço e contribuo com o que posso. E deixo sempre claro: se não for para contribuir, prefiro fazer nada.

SPERA...

Um ano depois dos 15 mil votos que elegeram o 'novo' ´prefeito de Assis tudo continua como antes no inacabado estádio Tonicão. Tolos os que acreditaram nas ao-vento palavras de que imediatamente após o término do campeonato da Segunda Divisão haveria máquinas procedendo a troca do gramado e se veem, agora, com cara pós-pegadinha, tentando encontrar onde está escondida a câmera.

SPERA... II

Duas semanas atrás estive na Prefeitura, resolvendo assuntos formais, pessoais, e na saída, dirigindo-me para a avenida Rui Barbosa, ouvi conversa alheia entre uma senhora e um funcionário público municipal. A cidadã cobrava mais cuidados com os jardins em frente ao Paço Municipal, ao que ouviu, não como resposta, mas como complemento: "se a frente da Prefeitura está assim, a senhora imagine como está o restante da cidade". Emblemática e representativa conversa, convenhamos.

ALTERNATIVA

São cada vez mais frequentes os elogios à programação da Rádio Fema FM, que pode ser sintonizada em 105,9 MHZ, em qualquer aparelho de rádio que esteja dentro de Assis. O ecletismo da programação tem rendido elogios de profissionais da comunicação com tradição no meio rádio, como é o caso de Waldyr Max Jr., que na década de 1980 ficou conhecido por seus programas na rádio Folha FM, de Londrina, e tem comentado sobre a emissora universitária em redes sociais como o Facebook.

REENCONTRO

Foi via Facebook, também, que reencontrei meu amigo Nílton Jr., com quem trabalhei na extinta Cultura 2 FM na segunda metade dos anos 1980. Niltinho está, hoje, na rádio Tupi FM, que tem estúdio na avenida Paulista, centro financeiro de São Paulo. Nos desencontros da vida não revejo pessoalmente o locutor desde 1993. Um dos grandes amigos que fiz no meio rádio.

BAITA ENCONTRO

A equipe de produção da agência MCP passou um dia inteiro com o craque Neto, comentarista e apresentador da Band. Gravações de peça comercial que entra no ar nos próximos dias. A agência de publicidade assisense tem no portfólio anunciantes como Café Jaguari, de Ourinhos.

TORCEDOR ILUSTRE

O jogador Marcelo Oliveira passou parte do período de recuperação de contusão em estada em Assis. O atleta retornou ao elenco do Palmeiras na semana passada, pela Série B do Brasileirão. Ele é casado com uma assisense e, nos dias de jogos do Clube Atlético Assisense, foi ao Tonicão nos confrontos contra Inter de Bebedouro e Cotia. 

POR FORA

A especulação do mercado imobiliário aponta como o antigo posto Marajó o agregado que receberá o Carrefour. Naquele antigo complexo já não funcionam motel e posto de combustível. Outra vertente, contudo, aponta como área do empreendimento um amplo lote situado à direita da SP-333, entre Assis e Tarumã.

POR FORA II

Comerciante do setor supermercadista confidenciou o que pode ser explicado como pote de ouro que tanto atrai mega empreendimentos para a cidade de Assis, a ponto de falar-se em Makro e Carrefour juntos chegando à Sucupira do Vale nos próximos 18 meses. De cada 10 compras efetuadas via cartões de débito ou crédito por aqui, 8 advêm de praças externas. Ou seja, 80% do movimento de consumo é feito por clientes de outras cidades, distribuídas no Médio Vale.

LOGÍSTICA

Os olhares do setor supermercadista local estão atentos para possível estratégia do grupo Avenida para a loja da avenida Dom Antônio, que perdeu sentido de existência logística com o todo-poderoso Avenida Max e com a revitalização do antigo Vitória, na avenida Glória. Ali, na tradicional loja da Dom Antônio, pode ser centralizada a produção do setor de panificação, que abasteceria todas as lojas do grupo na cidade. Uma espécie de Centro de Distribuição de Panificação. Nada decidido, contudo, sobre eventual fechamento do expediente da loja ao público.

RENOVAÇÃO

A empresa de transportes Andorinha coloca em circulação daqui a um mês a nova frota que abastecerá a linha que tem São Paulo como destino. Carros modernos, confortáveis e com serviço de internet wi-fi grátis. No sistema de video, a novidade de programação da TV paga, resultado de teste de mobilidade de sinal feito pela Sky, sistema semelhante ao que a companhia aérea Azul fez durante alguns anos em seus voos interestaduais.

ALIENAÇÃO

Agentes de viagens riem da especulação em torno de um movimento político regional que solicite a operação da companhia aérea Azul no aeroporto estadual de Assis. O motivo da piada: o que justifica a implantação de uma linha área é a demanda de passageiros que, residentes em uma determinada localidade, utilizam-se do serviço de referida empresa para deslocamentos de média distância.

ALIENAÇÃO II

Ou seja, a Azul, que tem voos regulares partindo de Marília, Prudente e Londrina, sabe muito bem a demanda de assisenses, maracaienses, candidomotenses, enfim, todos os demais "enses" que, residentes por aqui, na região, usam o avião como meio de transporte. E essas estatísticas, para fins de viagens de negócios, não são nada anaimadoras.

ALIENAÇÃO III

Daqui, do Médio Vale, o perfil do usuário de voos compreende pessoas que deslocam-se a turismo. E o que justifica uma demanda regular de passageiros é relacionada a negócios, ou seja, aqueles que trocariam carro ou ônibus por um investimento pouco maior que os coloquem em Viracopos, em Campinas, e depois sigam a São Paulo por ônibus.

ALIENAÇÃO IV

Agentes de viagens mais experientes relembram episódios como as rápidas passagens, por Assis, de companhias aéreas como a Presidente Linhas Aéreas, a Pantanal e mesmo a TAM. Empresas que aqui chegaram mediante diálogo com a Associação Comercial e as Prefeituras mas que viam seus voos quase vazios chegando a Congonhas e passando sobre carros particulares e oficiais dos mesmos empresários e políticos que haviam endossado o apoio para implantação da linha Assis>São Paulo>Assis.

2014 PRÓSPERO?

Recebi com tristeza a informação de que a cidade de Assis pode estar perdendo mais um tradicional veículo de comunicação. Cada microfone desligado, cada página que não é impressa são desfechos que representam uma força a menos no esforço sagaz de ao menos tentar praticar a democratização da comunicação nessa Sucupira do Vale cujos coronéis camuflam galochas debaixo de sapatos finos.

CÁ ENTRE NÓS...

... e aqueles "zumbis" que abordam e já até violentaram usuários do Terminal Rodoviário de Assis durante as madrugadas, são invisíveis aos olhos das autoridades?



IMAGEM DA SEMANA


FILHO BONITO... - Assis acostumou-se com as manchetes sucessivas de vinda dessa ou daquela outra franquia, dando status de que a economia local é próspera e sólida. Primeiro Bob's, depois Subway, agora Mac Donalds. Os mesmos jornais, as emissoras de TV a cabo e os mesmos sites que tão bem falam a hegemônica língua do comércio internacional que cá chega impondo sua cultura da alimentação fútil deveriam, também, dar espaço na publicação da perda de empresas importantes. Ao mesmo passo em que fotografam-se as obras nas imediações do São Francisco de Lata, nos Altos da Rui Barbosa, cegam-se os olhares para o hoje fechado prédio na esquina abaixo da Catedral. Sim, se o imperialismo norte-americano aqui aterrissa para contribuir com a elevação do índice de principalmente crianças e jovens obesos, de cá também saiu, em contrapartida, a franquia do Café do Feirante. Caro por caro, prefiro pagar preço ácido por um café, historicamente o produto de exportação que alicerçou a economia brasileira no período pós-independência.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

EU, PROFESSOR



PROFESSOR - Minha passagem pela sala de aula da escola pública foi curta, de 2006 a 2009, em Maracaí e Assis/SP. E dessa trajetória trago uma certeza, inspiradora para o ensino superior: quer discutir educação, primeiro passe pela escola pública e, então, vamos ao debate. Fácil criticar a escola, mas, em contrapartida, difícil encontrar quem assuma o desafio de educar no território das contraditórias políticas públicas desse país do faz-de-contas. Nós, professores, continuamos, por exemplo, esperando que saia do Congresso Nacional o Plano Nacional de Educação enviado extremamente atrasado por Lula, em dezembro de 2010, para ser discutido e vigorar na década 2011/2020, no primeiro ano de mandato de Dilma. Mais um Dia do Professor se vai, e nada no PNE sair do Congresso. Na foto, minha caixa de giz usadas na aulas de História e Geografia que lecionei nas escolas Galharini, em Maracaí, e Léo Sala De Leitura Leo Pizzato, em Assis. Cheia de recados, nomes, adesivos, enfim, de partes de alunos que hoje, em muitos casos, já saíram da universidade e estão no mercado de trabalho., Muitos deles, professores. Não é, Jaqueline Fernanda e Jaqueline Tomazinho Carvalho? Caixa de giz guardada com o mesmo carinho com que trago na memória os rostinhos ora ingênuos comportados, ora ingênuos sapecas que tanta luz trouxeram à minha irreversível vida de educador.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

5ª vaga na A-3 - Espera de posicionamento da Federação Paulista de Futebol

Cláudio Messias*

Continuo aguardando formalização de resposta da Federação Paulista de Futebol acerca da eventual quinta vaga na Série A-3 de 2014. Minha dúvida está centrada nos critérios que definem o quinto melhor clube entre os 8 que disputam a quarta fase da Segundona. Por um prisma, o Assisense não tem chance alguma de ficar nessa quinta melhor campanha. Por outro prisma, desde que vença a Inter, em Bebedouro, no domingo, e veja o Atibaia perder ou empatar com o definitivamente eliminado Paulistinha.

Em eventual falta de posicionamento formal da Federação ao pedido que fiz ontem, posto ainda hoje, aqui no Blog, o material que já está pronto, configurando a minha análise sobre a situação, que está dando margem a muitos boatos não só na cidade de Assis, mas em todas as praças esportivas diretamente interessadas por essa quinta vaga, originada pela fusão Audax/Grêmio Osasco, lá na Série A-2.

Os dois rankings possíveis são esses, abaixo:


Boatos ignoram regulamento e 'criam' 5ª vaga para Assisense na A-3

Cláudio Messias*

O universo do futebol é feito basicamente da língua maldita, disso todos sabemos. Mas, imaginação fértil demais gera circunstâncias constrangedoras, por desconhecimento do regulamento. Em síntese, é mais fácil inventar um meio de criar vaga de acesso em campeonato do ano seguinte do que trabalhar séria e eticamente para que isso ocorra sem divagações. É o que ocorre em Assis nessa semana de desfecho da Segunda Divisão. Desinformados e desconhecedores de regulamento plantaram um tipo de boato que não leva a nada, muito menos à Série A-3.

Tive conhecimento desse tipo de especulação na semana passada, mas soube que a origem vinha de um grupo que, a meu ver, pouco acompanhou da trajetória integral do Assisense nessa temporada. Segundo os boatos, com a fusão entre Grêmio Osasco e Audax criaria-se uma vaga na Série A-2, que por sua vez, em efeito cascata, levaria a uma vaga na Série A-3 e, assim, conduziria um quinto clube da Segunda Divisão à série subsequente na temporada de 2014. Fácil, não é? Eu também acho. Pena que os regulamentos da Série A-2 e da Segundona não prevejam exatamente isso, privilegiando o time de Assis.

Quem construiu esse boato esqueceu de consultar a Federação Paulista de Futebol, organizadora das competições relacionadas às quatro divisões do Campeonato Paulista. Como é do conhecimento tácito de todas as pessoas que levam o futebol a sério, torneios como o das Séries A-2 e A-3 e também da Segunda Divisão são realizados mediante a um ritual complexo e rigoroso. Não estou dizendo que seja um processo lícito, sério e inquestionável. Apenas ressalto que há passos a serem tomados por clubes, jogadores, comissão de arbitragem, enfim, todos os agentes sociais envolvidos direta e indiretamente no espetáculo. A própria imprensa esportiva é submetida formalmente a esses critérios pré-estabelecidos.

Para a definição dos grupos compostos por clubes que disputarão determinada divisão são realizados os conselhos arbitral e técnicos, ou seja, de arbítrio mesmo, o que significa dizer que dali sairão as diretrizes para as formas de disputa e o caminho a ser percorrido por quem quer: ser campeão, apenas manter-se nas zonas de acessos ou sustentação de divisão ou mesmo aqueles que com desempenho inferior em relação aos demais terão de descer uma divisão no ano seguinte. Só vão para esse evento formal os clubes que obedecem a outros critérios pré-estabelecidos, como acerto de eventuais pendências advindas da temporada anterior, regulação de estádios, regularização junto ao STJD, entre outros elementos. Ou seja, disputar um campeonato requer atender às regras formais estabelecidas pela gestão do futebol paulista, conforme as diretrizes estabelecidas por quem organiza, ou seja, a Federação Paulista de Futebol.

Rezar sobre esse pressuposto é importante porque você, raro e exceto leitor, precisa entender que as regras de disputa existem e têm de ser formalmente consentidas. O conselho arbitral é uma reunião formal que existe exatamente com essa finalidade, dentre muitas outras importantes nele envolvidas. Uma vez fechado esse conselho, as regras de um torneio, consentidas por todos, jamais poderão ser alteradas. E não é a Federação quem assim estabelece. É um bojo que entre outros elementos reúne o que está estabelecido: o Estatuto do Torcedor, que nada mais é do que o Código de Defesa do Consumidor, na versão torcedor que vai ao estádio ou que assiste jogos pela televisão e/ou ouve pelo rádio.

Se há conselho arbitral, há um regulamento específico para cada competição em disputa. No caso relacionado aos boatos espalhados por Assis nessa semana temos de pegar o regulamento da Série A-3 e o regulamento da Segunda Divisão. Para facilitar a elucidação, os relaciono nos seguintes links: http://www.futebolpaulista.com.br/arquivos/REGULAMENTO_A3_2013.pdf  e  http://www.futebolpaulista.com.br/arquivos/REGULAMENTO_SEGUNDA_DIVISAO_2013.pdf. É importante que se tenha esses dois arquivos em mãos, uma vez que estão nele os itens que tratam de situações que antevejam criação de vaga, desde já, para a Série A-3 de 2014.

O regulamento da Série A-2 também interessa, porque os dois clubes envolvidos na famosa fusão ali disputaram a temporada de 2013, no primeiro semestre deste ano. O Audax foi o terceiro clube com melhor campanha, garantiu vaga na elite da Série A-1 e viu seu comprador, o Grêmio Osasco, ficar pelo caminho na primeira fase, ocupando a inexpressiva 11ª colocação. Consideremos, pois, que o Audax foi comprado pelo Grêmio Osasco e, incorporado, leva o nome do dono para a Série A-1, a elite. Ora, se o Osasco "opta" por ir para a Primeirona, desiste da A-2. E no parágrafo 1º do Artigo 8º  do regulamento fica estabelecido o seguinte:

"Em caso de desistência formal de algum Clube participante do Campeonato Paulista de Futebol Profissional - Primeira Divisão - Série A2 de 2014, terá também acesso o Clube que obtiver a 5ª melhor campanha no Campeonato Paulista de Futebol Profissional - Primeira Divisão - Série A3 de 2013, dentre os que disputaram a fase semifinal".

Passo a passo vemos que o Audax transformou-se em Grêmio Osasco. E o Grêmio Osasco desistiu da Série A-2. Logo, fica convocado para a vaga na Série A-2 de 2014 o quinto time com melhor campanha na Série A-3. Indo para a classificação geral da Série A-3 temos o Flamengo, de Guarulhos, com 43 pontos e a quinta colocação entre os 8 que disputaram a segunda fase, seguido de Sertãozinho (38 pontos), Inter de Limeira (37) e Independente (37). Se há vaga na Série A-2, portanto, ela é do Flamengo, meritocraticamente conforme o regulamento.

Vejamos que a promoção do Flamengo, de Guarulhos, para a Série A-2, cria vaga na Série A-3, que passa a ter, formalmente, somente 19 clubes. Logo, temos de recorrer ao regulamento da Segunda Divisão para saber quem seria o quinto clube a ser convocado para o acesso, além dos 4 que meritocraticamente subirão. Lá, no regulamento, está previsto o seguinte no Artigo 12, que faço questão de transcrever na íntegra:

"Art. 12 - Terão direito de acesso à Primeira Divisão - Série A3 de 2014 - 04 (quatro) Clubes,
quais sejam, os 02 (dois) Clubes com o maior número de pontos ganhos em cada um dos
grupos, considerados exclusivamente os resultados obtidos nesta fase, observando-se, caso
necessário, os critérios de desempate previstos neste REC.

§1º - Em caso de desistência formal de algum Clube participante do Campeonato Paulista de Futebol Profissional - Primeira Divisão - Série A3 de 2014 terá também acesso o Clube que obtiver a 5ª melhor campanha no Campeonato Paulista de Futebol Profissional - Segunda Divisão 2013, dentre os que disputaram a quarta fase.

§2º - Conforme caput deste artigo fica estabelecido que o §1º somente será aplicado depois que 02 (dois) Clubes de cada um dos grupos, totalizando 04 (quatro) tenham obtido acesso ao Campeonato Paulista de Futebol Profissional - Primeira Divisão - Série A3 de 2014.

§3º - Este acesso somente será concedido quando a desistência for oficializada antes da realização do Conselho Técnico do Campeonato Paulista de Futebol Profissional - Primeira Divisão - Série A3 de 2014.

§4º - A fim de assegurarem seu direito de acesso, os Clubes mencionados no caput deste artigo deverão atender aos requisitos previstos no RGC."

Veja, raro e exceto leitor, que esse quinto convocado para assumir a vaga aberta na Série A-3 com a promoção do Flamengo é o quinto clube com melhor campanha na Segunda Divisão. E ele só será considerado passível de obter a vaga com a formalização de todo o processo anterior que envolve fusão Audax/Grêmio Osasco, promoção do Flamengo e decisão sobre o campeão e vice da Segunda Divisão. Precisamos, portanto, de um ranking dos melhores times da Segundona, controle que tenho feito, aqui no Blog, desde a primeira fase.

É agora que o regulamento lança o balde de água fria na cabeça dos especuladores e construtores de boatos ora infundados, ora fruto de desconhecimento das regras do jogo. Hoje, o quinto melhor time entre os 8 que disputam a quarta fase da Segundona é, vejam só, o Paulistinha, de São Carlos. Essa situação pode mudar domingo, quando, coincidentemente, Paulistinha e Atibaia jogam em confronto direto, em São Carlos, pelo grupo 19. Os dois estão empatados, no ranking, com iguais 46 pontos. O empate dá a quinta posição em campanha ao Paulistinha, enquanto o Atibaia só muda o cenário se vencer. 

É bom que se ressalte que o Atibaia encontra-se em situação igual à do Assisense, dependendo de derrota por goleada da Matonense, em casa, para o Tupã, e precisando aplicar goleada sobre o Paulistinha para, aí sim, ir para a Série A-3 sem precisar de quinta vaga.

O Assisense, no ranking geral do campeonato, é o penúltimo em campanha entre os 8 clubes que disputaram a quarta fase. Por mais que vença a Inter, domingo, vai a 43 pontos e continua, na melhor das hipóteses, a três pontos do Paulistinha, caso esse perca seu último jogo. Quem ficaria com a vaga, pela quinta melhor campanha, é a Inter de Bebedouro, dona, no momento, da terceira melhor campanha entre os 8.

Nem todo mundo, contudo, tem obrigação de entender exatamente o está no regulamento, pois este é por certas vezes confuso. Há quem entenda que o parágrafo 1º do Artigo 12 refira-se ao quinto colocado entre os clubes que estão disputando a quarta fase, mas especificamente na disputa dessa fase, e não no campeonato todo. De minha parte, não vejo dessa forma, pois a construção inicial do enunciado presente no referido parágrafo 1º fala em "5ª melhor campanha no Campeonato Paulista de Futebol Profissional - Segunda Divisão 2013,  "ou seja, separam-se os 8 clubes da quarta fase e aplica-se a soma geral de pontos por desempenhos em todas as etapas, de maneira a ver-se aquele que tem a quinta melhor campanha.

Se o parâmetro for realmente esse e a Federação mantiver o que está no regulamento, o Assisense está fora da Série A-3, nem que surja a quinta vaga, pois no ranking o time de Assis está em penúltimo lugar, por campanha, entre os 8 da quarta fase. Mas, caso a brecha do desempenho somente na quarta fase seja convenientemente adotada, o Assisense precisará vencer a Inter, em Bebedouro, nesse domingo, e ainda torcer para que o Atibaia empate ou perca para o Paulistinha, no grupo 19, caso queira ser o quinto melhor time entre os oito em disputa nos dois grupos. Cabe ressaltar, portanto, que o Atibaia tem dupla chance de subir para a A-3, bastando vencer seu jogo com placar elástico ou simples, dependendo para que lado observe a vaga.

Mas, seja qual for o lado para que se olhe, a situação do Assisense não é nada fácil. O ideal, mesmo, é terminar a quarta fase vencendo a Inter novamente e deixando que Água Santa e Cotia digladiem para saber quem fará a final do campeonato. De repente, o saldo de gols que transforma em abismo a separação entre Assisense e Água Santa (8 gols) é zerado e, assim, no confronto direto e tecnico, a vaga na Série A-3 venha para Assis, como segundo colocado no grupo. Esse é o caminho das pedras. O outro caminho, mais tortuoso e arenoso, prevê essa briga-de-faca pela quinta vaga. E se há interpretação no parágrafo 1º do tal artigo 12 do regulamento, que não haja dúvidas de que os outros clubes diretamente interessados irão igualmente montar acampamento na porta da Federação, exigindo que o regimento seja aplicado para o lado de lá.

O certo diz que a vaga na Série A-3 está na casa do impossível para o Assisense. Já o incerto aponta para o universo das possibilidades. Nos dois casos, pode ser. E possibilidade por possibilidade, esperemos a disputa da final do torneio, até daqui a duas semanas. Somente a partir de lá a Federação irá posicionar-se sobre vagas, conforme está claro no regulamento. Enfim, o que você ouvir e ler agora é, no mínimo precipitado. Para não dizer improcedente. Inclusive isso tudo que escrevi, que é interpretação.



*Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

PERSONAGENS - Assisense 0x0 Água Santa

Fotos: Blog do Messias
Meia hora antes do jogo a moça observa o aquecimento dos jogadores

Ônibus trouxe torcedores de Diadema, sede do Água Santa

Esquema policial dividiu o Tonicão em dois setores, separando torcidas

Com o sol de 3 horas da tarde, fuga para a sombra

O batuque da torcida teve novamente o apoio da V.O.

Assisense faz a última entrada, no Tonicão, na temporada 2013

O Água Santa deu demonstração de concentração extrema para o jogo

Os adversários saudaram a torcida visitante e ignoraram a de Assis

Antes de a bola rolar, mais uma demonstração 
de união do grupo vindo de Diadema

Torcida feminina marcou presença na tarde ensolarada do Tonicão

O técnico do Água Santa ouviu gritos de "calma, calma", saídos da
torcida do Assisense; treinador teve vários chiliques com a equipe

Polícia precisou intervir após torcedor do Assisense invadir 
área reservada à torcida do Água Santa

Famoso desestabilizador do banco de reservas adversário, gandula
fez intervenção e ajudou a impedir a invasão do setor da torcida adversária

A faixa estendida no alambrado mostrava ao time que a torcida
ainda tinha confiança na vitória e na classificação

Não estava fácil para ninguém na tarde de sol de quarta-feira

As provocações entre as torcidas eram feitas partindo dos dois lados

Fião, figura conhecida na Vila Operária, observa o movimento 
no setor de arquibancada, onde esteve

Alex Caligaris, o Guaíra, da TV Fema, ouve pequena palestra do policial,
sobre como beber água mineral em copo nos estádios

O protocolo faz com que a elegância marque presença nos estádios...

... mas debaixo de sol, a elegância senta no banco de concreto.

O vendedor de sorvete esgotou o estoque que levou

Churros para todos os gostos...

... porque o público era de todos os tamanhos.

Lá estava, além do arame farpado, a caixa de placas "analógica"

Ingresso nesse setor, de rara sombra, deveria custar mais caro?

No segundo tempo o desespero pela vitória levou o torcedor ao alambrado

Quase 800 pagantes deram seu voto de apoio ao Assisense

Era tarde de quarta-feira e havia homens trabalhando... 
nas máquinas, atrás do estádio, ao lado do Tênis

Aos 40 minutos a torcida começou a deixar o estádio, mas parava na rampa
para ver o desfecho das jogadas que quase levaram à vitória. Quase.

Ao final do jogo o Água Santa foi  à torcida comemorar o 'quase' acesso

Do lado de fora do Tonicão o derradeiro voltar pra casa do ano

Para os torcedores do Água Santa, 440 km pela frente