Jovem Pan Online - RSS

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Fernandópolis tira vice-liderança do Assisense

Cláudio Messias*

O Fernandópolis fez um gol no final do segundo tempo e venceu o Diadema por 1 a 0, nessa noite, no estádio "Cláudio Rodante", em Fernandópolis. Com isso, além de manter a invencibilidade nessa temporada da Segundona do Campeonato Paulista o FFC assumiu a liderança isolada do grupo 9, com 4 pontos. Esse resultou jogou o Assisense para terceiro no grupo, um ponto atrás do Diadema e um ponto à frente do lanterna Taboão.

Com o fechamento da rodada dessa quarta-feira os objetivos do Assisense para terminar o primeiro turno são mantidos os mesmos. Um empate em Diadema no sábado, às 15h00, pode ser visto como bom resultado, uma vez que o Taboão receberá o líder Fernandópolis e pode continuar sem vitórias nessa segunda fase. A novidade desse jogo é a liberação do estádio "José Ferez", em Taboão da Serra, para receber jogo e público. Até aqui o Taboão ainda não havia mandado jogos em casa. A partida contra o Fernandópolis acontecerá às 19 horas de sábado.

Além da invencibilidade, o empate em Diadema dá ao Assisense a expectativa de fazer 6 pontos frente Diadema e Taboão, no Tonicão, em Assis, no returno da segunda fase. Somando 9 pontos o Falcão do Vale iria para Fernandópolis, na última rodada, precisando de um empate para garantir a classificação para a terceira fase, sem depender de outros resultados.



*Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP.

Fernandópolis e Diadema vão empatando em 0 x 0

Fernandópolis e Diadema não abriram o placar, ainda, jogando no estádio "Cláudio Rodante", em Fernandópolis. O empate em 0 x 0 favorece o Assisense, que hoje à tarde empatou com o Taboão em 1 a 1, em Jundiaí, e está na segunda colocação do grupo 9. O Diadema é líder, com 4 pontos, enquanto o Fernandópolis é terceiro, com os mesmos 2 pontos do Falcão do Vale. O desempate entre os segundos colocados acontece nos gols marcados: 2 pelo Assisense, 1 pelo Fernandópolis.

A surpresa - para não falar decepção - dessa segunda fase está sendo o Grêmio Prudente. Neste momento o time prudentino está perdendo para o Araçatuba por 1 a 0 em pleno estádio Prudentão. É a segunda derrota consecutiva do Grêmio Prudente, que amarga a lanterna isolada do grupo 10.

Pelo grupo 14, à tarde, o Tupã também perdeu, e de goleada: 4 a 0 para o Atibaia no estádio "Salvador Russani", fora de casa. O Tupã é segundo colocado no grupo 14, com uma vitória e uma derrota.



FIM DE JOGO - Taboão 1 x 1 Assisense

Cláudio Messias*

O Atlético Assisense repetiu o placar do último domingo e, jogando no estádio Jayme Cintra, em Jundiaí, contra o Taboão da Serra, empatou novamente em 1 a 1. A exemplo do primeiro jogo contra o Taboão da Serra, o Falcão do Vale abriu o placar no primeiro tempo e cedeu empate no segundo.

Com o empate o Assisense assumiu provisoriamente a segunda colocação isolada do grupo 9, com dois pontos. O líder é o Diadema, que às 20h30 dessa quarta-feira enfrenta, fora de casa, o Fernandópolis, terceiro colocado. Um empate nesse jogo é o resultado que mais beneficia o Assisense, pois manteria Diadema na liderança com 4 pontos, dois pontos à frente do Falcão do Vale na tabela, e seguraria o Fernandópolis com os mesmos dois pontos do time de Assis.

O próximo jogo do Assisense será sábado, no estádio do Inamar, em Diadema, contra a equipe local. Dependendo do resultado de hoje à noite um empate na próxima rodada passa a ser excelente. Digo isso porque em caso de empate com o Fernandópolis, hoje, o Diadema vai para a última rodada do primeiro turno com 4 pontos e, empatando com o Assisense, manteria a distância de apenas dois pontos no returno. Uma vitória do Fernandópolis, nessa segunda rodada, colocaria o Falcão do Vale em situação perigosa, pois cairia para terceiro e precisaria vencer as próximas rodadas para conseguir manter-se como um dos quatro melhores terceiros que buscam vaga na próxima fase.

Como não estive em Jundiaí e apenas acompanhei os resultados informados via celular e redes sociais por Eduardo Almeida, membro da diretoria do Assisense, não tenho o que falar sobre o desempenho do time frente ao Taboão (soube que o Assisense dominou o primeiro tempo e o Taboão, o segundo, cenário semelhante ao do empate em 1 a 1 com o Fernandópolis domingo passado). O que posso dizer é sobre a minha expectativa de resultados para essa rodada. No meu entender, o Falcão do Vale tinha condições e precisava vencer o Taboão nessa quarta-feira. Além de somar 3 pontos e brigar pela liderança do grupo, o time de Assis abriria vantagem direta sobre o time de Taboão da Serra, que com o empate ficou a apenas um ponto atrás na tabela.

O projeto precisa ser mantido e, agora, foco total no jogo em Diadema. Uma vitória sobre o atual líder seria espetacular, mas a racionalidade mostra que um empate é o resultado mais próximo de se buscar. Uma derrota para o Diadema nos colocaria sob risco de cair para a quarta colocação no grupo, empatados com o Taboão (caso este empate com o Fernandópolis na rodada) e, pior, começar o returno fora da média de aproveitamento dos quatro terceiros colocados que garantirão vaga na próxima fase.

Derrota - Outro time da região que entrou em campo agora à tarde pela Segundona é o Tupã. Ex-adversário do Assisense na primeira fase, o time de Tupã foi a Atibaia como líder do grupo 14, mas tomou uma sonora goleada por 4 x 0 para os donos da casa. Caiu para a segunda posição no grupo, beneficiado pelo empate em 1 a 1 entre Américo e Cotia.




*Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP.

Taboão empata em Jundiaí: 1 a 1 com o Assisense, 28 minutos finais

O Taboão da Serra empatou o jogo no estádio "Jayme Cintra", em Jundiaí. Agora, empate de 1 a 1 com o Assisense, pela segunda rodada da Segundona do Campeonato Paulista. O Falcão do Vale havia aberto o placar aos 4 minutos do primeiro tempo com Jaílton, de cabeça. No segundo tempo, como de costume, o Assisense cedeu espaço e passou a sofrer pressão do time 'da casa'.

Com o empate, o Assisense avança para a segunda colocação do grupo 9, um ponto acima do Fernandópolis, que ainda tem um jogo pela frente, à noite, às 20h30, recebendo o Diadema, líder do grupo.



Começa o segundo tempo em Jundiaí: Taboão 0 x 1 Assisense

Recomeça o jogo no estádio "Jayme Cintra", em Jundiaí, onde o Taboão da Serra manda seus jogos pela Segunda Divisão do Campeonato Paulista. Com gol de cabeça de Jaílton o Assisense segue vencendo por 1 x 0 e assume a liderança provisória do grupo 9, com 4 pontos.

Logo mais às 20h30 jogam Fernandópolis x Diadema, completando a segunda rodada da segunda fase no grupo 9.


Assisense faz 1 a 0 no Taboão, em Jundiaí; jogo em andamento

O Clube Atlético Assisense saiu na frente e abriu o placar no estádio Jayme Cintra, em Jundiaí, onde o Taboão da Serra manda seus jogos pela Segunda Divisão do Campeonato Paulista. Jaílton fez o gol para o Falcão do Vale logo aos 4 minutos. No momento, intervalo de jogo.

Com a vitória, o Assisense assume a liderança provisória do grupo 9, com 4 pontos. Fernandópolis x Diadema enfrentam-se às 20h30, em Fernandópolis.



segunda-feira, 29 de julho de 2013

Os pessimistas que me perdoem, mas Assis é fundamental

Cláudio Messias*

A revista Exame trouxe na publicação online de hoje, 29 de julho, a versão mais atual do ranking das 50 melhores cidades brasileiras para se viver. Não, os parâmetros não são traçados pela publicação da editora Abril, a mesma de Veja. Trata-se de uma lista de cidades que, em conformidade com o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), da ONU (Organização das Nações Unidas), aponta localidades onde prevalece uma qualidade de vida melhor.

Assis continua na lista das 50 melhores cidades brasileiras para se viver. Não sou eu quem diz, não é a Exame. É a ONU. Quem quiser contestar, que aponte elementos mais contundentes do que o IDH, que é a somatória de índices de investimento/resultados feitos/atingidos em educação, saúde, infra-estrutura urbana e, elementarmente, empregabilidade familiar. O discurso pessimista, reticente, incrédulo, pode e deve questionar, mas ainda precisa saber de um outro detalhe: Assis não é a 50ª melhor cidade para se viver; é a 28ª.

Publico e replico essa notícia, fresquinha, como forma de continuar respondendo às provocações que recebo sobre minhas publicações feitas aqui no Blog e na época em que colaborava como colunista no Assiscity de minha amiga Bruna Fernandes. Assis é, definitivamente, uma joia do interior. Pode não ter o desenvolvimento da surpreendente São Caetano do Sul, mas, em contrapartida, está fora da zona de crescimento irracional que sai da Grande São Paulo e avança interior afora abocanhando as regiões de Ribeirão, Campinas, Botucatu e Bauru, que ganham a condição de cidades interioranas com os problemas sociais da capital.

Preciso esmiuçar melhor as estatísticas envolvidas nesse Top 50 em que Assis encontra-se no Brasil. Posso dizer que Assis estava na 36ª posição em 2000, ou seja, avançou 8 posições no ranking da ONU. Nosso IDH é 0,805, compatível com a média nacional que faz com que o Brasil esteja entre as 80 melhores nações do planeta para se viver.



*Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP.


FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA


CONDIÇÕES

A delegação do Clube Atlético Assisense viaja na tarde dessa terça-feira para Jundiaí, onde na quarta, às 15h00, enfrenta o Taboão da Serra pela segunda rodada da segunda fase da Segundona (quantas segundas!) do Campeonato Paulista. Realidade diferente dos últimos anos, em que o Falcão do Vale saía de Assis no dia dos jogos disputados fora, muitas vezes sem alimentação adequada.

CONTRADIÇÕES

Apesar de infra-estrutura e apoio da torcida serem fatores novos no Assisense em 2013, o sofrimento dentro de campo pouco mudou em relação às temporadas anteriores. Mesmo com salários pagos em dia e o respaldo total da diretoria, o Falcão do Vale sofreu para classificar para a segunda fase. Nas arquibancadas não há consenso sobre a qualidade do trabalho do treinador Venâncio.

FONTE SECA

Não houve comercialização de cerveja nos bares do Tonicão no jogo Assisense 1x1 Fernandópolis. Quem tinha tíquete comprado em jogos anteriores também não pôde usá-lo no domingo, No meu caso, R$ 10 jogados fora, pois comprei 4 tíquetes e não pude consumir cerveja no jogo Assisense 2x1 Grêmio Prudente. Naquele domingo, a cerveja Conti acabou no intervalo do jogo. Desde então, os 4 tíquetes estavam na carteira. Foram para o lixo.

NÃO PODE...

Há restrições à venda de bebidas alcoólicas em estádios no estado de São Paulo. Na disputa da Segundona, contudo, acordo entre clubes e a Polícia Militar abre exceções. A fiscalização direta nos bares não ocorre até que aconteçam dois tipos de ocorrência: briga entre torcedores e arremesso de objetos como copos e latas de alumínio no gramado.

... MAS PODE

Em Assis já houve, historicamente, vai-e-vem nas permissões e proibições de venda de bebida alcoólica no Tonicão. Em 2004, ano em que esse tipo de discussão em torno da permissão foi forte em Assis, todas as cidades por onde o Assisense passou comercializavam livremente cerveja nos bares de estádios. Consultados, os comandos de policiamento simplesmente diziam desconhecer tal comércio e que a fiscalização competia à Federação Paulista de Futebol, que na época tinha acervejaria Kaiser como um dos patrocinadores do Campeonato Paulista.

SEM COBERTURA

Os jogos do Assisense contra Taboão e Diadema serão sofríveis aos torcedores que gostam de acompanhar o Falcão do Vale. Sem rádios assisenses cobrindo o clube local, os jogos em Jundiaí, nessa quarta, e em Diadema, domingo que vem, não terão transmissão alguma. Taboão e Diadema igualmente não têm rádios que transmitem seus jogos. Para piorar a situação, a Agência Futebol Interior interrompeu há alguns anos o plantão online em tempo real para jogos da Segunda Divisão. Resta, somente, o serviço de placar online da Federação Paulista de Futebol, que atrasa mais de minutos na atualização.

COM COBERTURA

Reencontro, no Tonicão, meu amigo Fernando Garcia, pioneiro da equipe de jornalismo da TV Record no Oeste Paulista. Mesmo não sendo fanático por futebol, Fernando cumpriu a pauta e cobriu Assisense 1x1 Fernandópolis. E cá estará nos demais dois jogos da segunda fase.

SEM CULTURA

Aumentaram os rumores de uma possível venda da rádio Cultura AM. Os compradores prioritários seriam os mesmos da Cultura 2 FM, na expectativa de confirmação de uma ação do Ministério das Comunicações que tende, até 2014, a fundir rádios AM e FM em uma faixa única, de frequência modulada.

PATENTE

O nome "Avenida" pode ganhar diversidade comercial na cidade de Assis. Depois de supermercados, magazine. Grupo com sede no Centro-Oeste estuda a viabilidade de abrir filial na cidade.

DESESPERO

Com o primeiro semestre de aulas mais que comprometido, os estudantes da Unesp deparam, agora, com uma 'realidade' árdua. Por mais que queiram voltar às aulas e dar fim ao movimento grevista que começaram, podem entrar na sala de aula e não encontrar professores. É que docentes e servidores da Unesp deflagraram greve de apoio e seus movimento independem dos discentes. Pior: a assembleia das categorias está agendada para o final da primeira quinzena de agosto, por falta de acordo com a reitoria.

SEM FÉRIAS

A realidade dos campi da Unesp, nesse ínterim, mostrou estudantes em pleno recesso de julho sem aulas, mas, também, sem estar em férias. Se não houver antecipação das assembleias previstas para 15 de agosto, uma quinta-feira, eventual fim de greve implicaria em retorno das aulas somente no dia 19 do próximo mês. Daqui a 21 dias. E o calendário do segundo semestre com aulas em dezembro de 2013, janeiro e parte de fevereiro de 2014.

ETERNO RETORNO

Meu parâmetro no jornalismo, todos sabem, tem nome, RG e Mtb: Julio Cezar Garcia. Meu competente amigo havia retornado de Brasília para São José do Rio Preto, no primeiro semestre. Agora, está de volta ao impresso Diário da Região, uma das mais sólidas empresas de comunicação do interior do país. Privilegiado é o Diário quem tem Júlio Garcia em suas páginas!

1 MILHÃO

O Jornal da Segunda Online atingiu a casa dos 900 mil acessos, duas semanas atrás.

ENGATINHANDO

O Blog do Messias também avança na contagem. Semana passada atingi os 20 mil acessos. O recorde de acessos em julho, segundo o Google Analytics, está sendo um passo a passo que postei meses atrás sobre "como fazer arroz integral soltinho". Essa receita já rendeu dois contatos de outras plataformas onlines, interessadas em explorar o passo a passo. Um deles veio de Miami Beach, EUA, mais precisamente de um canal de TV a cabo com programação voltada a brasileiros que por lá residem.

SUCESSO

A credibilidade de meu amigo Faustinho Nóbile junto ao alto comando do SBT só aumenta. Ele está envolvido em dois dos principais projetos do canal de Sílvio Santos para o segundo semestre. E já colhe os frutos do excelente trabalho que fez na trilha sonora das novelinhas Carrosel e Chiquititas. Faustinho é proprietário de um dos melhores estúdios musicais de São Paulo.

CÁ ENTRE NÓS...

... se Ricardo Pinheiro tem de ser cassado caso não prossiga com as investigações sobre o suposto rombo nas contas da Prefeitura até 2012, o que tem de ser feito com os vereadores que compuseram a Câmara Municipal no mesmo período em que o ex-prefeito Ezio Spera usou dinheiro público mediante aprovação do Legislativo?


domingo, 28 de julho de 2013

EU, DA ARQUIBANCADA - Personagens de Assisense 1x1 Fernandópolis

Toninho Scaramboni, a palavra oficial

Conheci, hoje, Seo Zé, um corintiano desses que mostram o cartão...

... e o verso do cartão, com a cidade onde morava quando... sabe-se lá o que e quando...

E na empolgação Seo Zé mostrou esse cartão, com a visão 'tradicional' sobre o maravilhoso ser feminino. Seo Zé, Seo Zé...

Nenhuma rádio de Assis transmitindo o jogo, mas duas rádios de Fernandópolis fazendo a sua parte...

Lúcio Coelho, o dono da bola, é a nossa lenda viva da imprensa assisense

Se não tem rádio cobrindo, tem TV. Cicinho, pelo Canal 10, da Cabonnet

O homem tem faro de gol. Jaílton é o nome da fera. Sim, calma, ele tem a mão esquerda inteira; só a foto cortou parte do membro

Depois de Paulo Henrique (2004), esse goleiro já é, pra mim, o segundo melhor goleiro a defender Assis

Esse cidadão inverteu faltas e deixou claro que saiu de Assis feliz com o empate de 1 a 1. Não merece ter a cara mostrada, pois ela é de pau

Visão do campo na metade do segundo tempo: Assisense no ataque, Fernandópolis inteiro fechado

No futebol esse sujeito é chamado de auxiliar, mas nesse caso não passa de um banderinha. Única vez na vida que vi um bandeirinha levantar o instrumento apontando impedimento do Fernandópolis e imediatamente baixar, dando prioridade à marcação do contestável árbitro (falta a favor do ataque do adversário nosso). Piada pronta

Prova de que o Fernandópolis veio a Assis para empatar: terminado o jogo, conferência no gramado, reunindo todo o bando.


Não existe outra pessoa que acredite mais no futebol de Assis, 
mais especificamente do Assisense, do que Luiz Carlos de Oliveira, o popular 
"Japonês", a quem eu chamo de Japurunga desde os tempos em que 
trabalhamos juntos na Cultura AM/FM, nos idos de 1993. Minha singela 
homenagem a esse apaixonado pelo futebol, de quem honradamente sou padrinho de casamento na igreja!

Assisense começa bem, retranca e cede empate no final

Cláudio Messias*

É difícil separar raiva e paixão nesse complexo universo do futebol. Digo isso porque foi apaixonante ver o Clube Atlético Assisense jogar nos primeiros 45 minutos do confronto dessa manhã no estádio Tonicão, contra o Fernandópolis, pela primeira rodada da segunda fase da Segundona do Paulistão. Empolgamos nos primeiros 50%, nos decepcionamos nos demais 50% do tempo que dedicamos para ir ao estádio na ensolarada manhã de domingo sem cerveja. Sim, os 45 minutos finais foram de muita raiva.

Assisense e Fernandópolis empataram em 1 a 1. Mas, o Assisense fez 1 a 0 com o artilheiro e indispensável Jaílton, um atacante nato, desses em quem você pode descarregar responsabilidade porque o retorno é certo. Cheguei, nesse ínterim, a colocar em xeque o favoritismo que as estatísticas traziam ao Fernandópolis, um visitante ainda invicto nessa pedreira chamada Segundona. Afinal, o Falcão do Vale não dava chances ao visitante, marcava sob pressão e, enfim, tinha um sistema tático definido. Era outro Assisense naquele início de jogo.

Abro lacuna, agora, para uma situação que precisa ser resolvida urgentemente. Se Assis quer ter futebol de qualidade compatível ao Vocem dos anos 1980, tem que ter um estádio com gramado condizente, ou seja, à altura. Arrisco dizer que o Assisense é extremamente prejudicado pela tal da grama esmeralda que desde a inauguração do Tonicão tanto trabalho dá à equipe de manutenção. O mundo inteiro joga pelo menos em grama matogrosso, mas em Assis, na Sucupira do Vale, até hoje não apareceu um prefeito macho o suficiente para meter máquinas naquele ex-brejo, retirar meio metro de terra abaixo da grama e trocar tudo, inclusive o sistema de drenagem que, para quem não sabe, foi feito à base do uso de bambu que, isso, sim, todos sabem, apodreceu menos de 5 anos após a inauguração. Recado a você, Ricardo Pinheiro: seja o primeiro e único a ter essa coragem, pois é vergonhosa ver os visitantes chegando, pisando no gramado e fazendo cara de quem viu mosca na sopa.

Mas o gramado estava ruim para as duas equipes e, sinceramente, caso tivéssemos ali um tapete o que haveria, com certeza, era um placar mais elástico do que 1 a 1. O Assisense alternou taticamente seu sistema no primeiro tempo e isso deu certo. Encarou o 3-5-2-1 do Fernandópolis com avanços na formação 3-4-3 e na defensiva com um clássico 4-4-2. Jaílton era o homem de referência no ataque, enquanto Fernando Seedorf, volante, comandava tudo na defesa. Já disse aqui, e repito: nossa defesa é boa, segura, e tem o mérito de contar com um excelente goleiro. Sejam quais forem os planos para 2014, o primeiro deles é segurar, desde já, esse goleiro em Assis.

Foto: Blog do Messias
Jaílton ouve, hoje, 'conselhos' do marcado adversário


Com o Fernandópolis apostando em jogadas costuradas pelo meio, o Assisense fez, e bem, a distribuição das jogadas pelas extremidades. Não por acaso nossos laterais sentiram o calor de meio-dia na metade do segundo tempo e o time ficou sem fôlego. Mas enquanto esse fôlego existiu o Assisense não repetiu os jogos de chutão de bola pra frente da primeira fase. Colocou, na medida do possível, a bola no gramado e trocou passes rápidos. Tudo bem, foi de uma cobrança de falta que Jaílton apenas encostou na bola e abriu o placar no final do primeiro tempo, por volta de 42 minutos. Mas, prefiro ir à origem do lance que resultou na falta, pois o Fernandópolis teve de parar dessa forma um lance que fatalmente culminaria no primeiro gol do jogo. Lance pela esquerda, aberto.

No segundo tempo o Falcão do Vale fez o que Charles Müller já sabia que não se poderia produzir no futebol quando a redonda ainda era feita de couro de boi: recuar quando se ganha por apenas um gol de vantagem. Foi o Fernandópolis o dono do jogo no segundo tempo. Impaciente, a torcida novamente xingou a comissão técnica pela improdutividade do time em campo. Ganhávamos por 1 a 0 e ouvíamos vaias e xingamentos das arquibancadas. Claro, torcedor, além de boca suja, é filósofo da bola. Além de curtir uma boemia da noite anterior sabe, e bem, que segurar resultado contra um adversário invicto foge da racionalidade do universo do futebol.

O gol do Fernandópolis saiu após os 45 minutos do segundo tempo. Um castigo, pois antes de entrar a bola ainda raspou na luva do nosso goleiro, tocou no pé da trave direita e só foi atingir a rede do lado oposto. Gol chorado. Literalmente chorado, pois o Assisense, pelo que apresentou no primeiro tempo, merecia ganhar. Só que futebol tem dois tempos de 45 minutos, e na etapa complementar quem merecia o resultado era o Fernandópolis. Um lado para cada time, tudo igual no placar e, agora, fazer om planejamento de maneira que nos dois próximos jogos, fora, consigamos ao menos um empate e uma vitória sobre Taboão e Diadema. Dois empates fora também não são tão ruins assim, mas, já que o Taboão é o único dos 4 do grupo que perdeu, que tiremos vantagem disso na quarta-feira que vem, em Jundiaí.

Como não fujo de minha opinião, confesso decepção com o sistema tático do Assisense nesse domingo. Tínhamos o resultado nas mãos e jogávamos o suficiente para fazer 2 a 0. Bastaria repetir a ação ousada da vitória sobre o Grêmio Prudente, no Tonicão. Mas, não. O time recuou na etapa complementar, talvez sem orientação para tal. Retrancar é normal, eu reconheço, principalmente quando se joga contra um Fernandópolis que chega com fama de excelente aproveitamento. Só que respeitar demais é um exagero. O máximo que arrisco dizer é que o Fernandópolis está no mesmo patamar do Assisense, e olha lá. E tem mais: pelo que vi hoje, se o Assisense chegar à última rodada, no returno, precisando vencer esse mesmo Fernandópolis lá, consegue ganhar. Só que antes disso tem um detalhe: tem de querer vencer.



*Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP.

sábado, 27 de julho de 2013

NOTÍCIA SEM TEXTO - Diadema vence Taboão e assume liderança


Assisense já 'joga' hoje, na torcida por empate em Diadema

Cláudio Messias*

A primeira rodada da segunda fase da Segunda Divisão do Campeonato Paulista acontece nesse final de semana. Agora, 24 clubes brigam pelas 12 vagas que daqui a menos de um mês integrarão a terceira fase da competição. Ontem à noite, em Tupã, abrindo a rodada, o Tupã venceu o Américo por 2 a 1.

A rodada prossegue hoje e tem um jogo que interessa diretamente ao Clube Atlético Assisense. Às 15 horas, no estádio municipal do Inamar, em Diadema, o Clube Atlético Diadema recebe o Taboão da Serra. Um empate, de preferência sem gols, é o resultado que mais interessa ao Falcão do Vale.

O Assisense entra em campo amanhã, às 10 horas, contra o forte Fernandópolis. O jogo acontecerá no estádio Tonicão e deve bater recorde de público e renda. Uma carreata foi realizada pelas ruas da cidade na manhã desse sábado, 27, convocando a população de Assis para apoiar o time.

Com um empate entre Diadema x Taboão e uma vitória do Assisense sobre o Fernandópolis o Falcão do Vale assume a liderança isolada do grupo 9. O time de Assis joga amanhã e volta a campo já na quarta-feira, em Jundiaí, onde o Taboão da Serra manda seus jogos. Serão dois jogos consecutivos fora de casa, encerrando essa jornada no domingo que vem, às 15 horas, contra o Diadema.

Essa esperada vitória sobre o Fernandópolis coloca o Assisense em condições de brigar pela liderança do grupo. Para isso, teria de somar pelo menos 5 pontos no primeiro turno da segunda fase, segurando ao menos dois empates contra Taboão e Diadema, fora de casa. Assim, nos jogos de volta contra essas mesmas equipes, no Tonicão, duas vitórias assegurariam a classificação antecipada do Assisense, que iria à última rodada para, com 11 pontos, defender a liderança do grupo.

No viés contrário, uma derrota para o Fernandópolis, amanhã, representaria obrigação de vencer ao menos um dos dois jogos em sequência fora de Assis, sobre Taboão ou Diadema, ainda assim comprometendo qualquer projeto de brigar pela liderança do grupo, já que o último jogo da fase será contra o mesmo Fernandópolis, na casa do adversário.

O projeto mais modesto mostra o Assisense empatando com o Fernandópolis, amanhã, e submetendo a todos ao mesmo sofrimento que marcou a classificação da primeira para a segunda fase. Outros dois empates contra Taboão e Diadema, fora de casa, nos colocariam na segunda fase com 3 pontos e brigando para ser um dos quatro terceiros colocados de grupos que conseguirão vaga para a terceira fase. Nessa perspectiva, com vitórias sobre Diadema e Taboão, no Tonicão, o Assisense chegaria a 9 pontos e iria para Fernandópolis precisando de um empate que lhe garantiria a segunda colocação ou, ainda, a liderança, dependendo da sequência de vitórias de Fernandópolis e de um eventual vencedor do jogo de hoje, entre Diadema e Taboão.

Do ponto de vista do torcedor, pela emoção, dos 6 jogos que tem pela frente o Assisense tem de cumprir com o dever de casa, ou seja, vencer os três jogos que tem no Tonicão. Isso lhe garante os 9 pontos que dão condições de disputar uma das quatro vagas de terceiros melhores colocados, tendo de ao menos empatar um dos três jogos fora de casa.

Muita matemática, pouca lógica, mas, com certeza, muita torcida pelo avanço do Falcão do Vale para a terceira fase da Segundona. No final da tarde posto, aqui, no Blog, o resultado de Diadema x Taboão, dando o primeiro prognóstico para a arrancada do Assisense rumo à Série A-3.

*Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Definida arbitragem para Assisense x Fernandópolis




Temperatura cai a 1 grau, mas volta a subir em Assis

Cláudio Messias*

O Médio Vale do Paranapanema voltou a registrar madrugadas frias, com geadas. Ao contrário dos últimos 15 anos, as geadas, dessa vez, não ficaram restritas somente às regiões de baixada, ou seja, às várzeas. Elas ocorreram nas planícies e, inclusive, renderam fotos em perímetros urbanos. Ampliando o raio de abrangência com os efeitos da chegada da massa de ar polar vinda da Argentina, há registro de geada até mesmo em Campo Grande, Mato Grosso do Sul.

A massa de ar polar chegou ao Médio Vale entre a tarde de domingo e a manhã de segunda-feira. Até então a região estava sob efeito de uma frente fria, que em choque com umidade vinda da Amazônia provocou chuva e tempo nublado em uma faixa que compreendeu as regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul. A faixa litorânea que abarca a costa leste de estados como Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Santa Catarina ainda registra chuva e frio provocados por esse fenômeno.

A estação meteorológica de Assis mantida pela Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado registrou, nas duas últimas madrugadas, as temperaturas mais baixas do ano na cidade. Às 4 horas de hoje, por exemplo, o termômetro marcava 2 graus, com queda para 1 grau. Ventos de até 12 km/h geravam sensação térmica de até 2 graus negativos, o que somado a uma umidade relativa do ar na casa dos 100% impedia a formação das mesmas geadas que se espalharam por praticamente todos os municípios da região administrativa.

Soube de geadas registradas em regiões de baixada na zona rural de Cândido Mota, Paraguaçu Paulista, Platina, Florínea, Cruzália e Maracaí. Ao contrário de ontem, o impacto na agricultura e na pecuária é consideravelmente menor, uma vez que não chegou a afetar pastagens e plantações de milho safrinha. Agricultores que fizeram o plantio do milho com antecedência tendem a ter menores prejuízos, uma vez que as espigas já encontram-se formadas. Já os produtores que colheram tarde a safra de verão e, consequentemente, atrasaram o plantio da safra de inverno correm o risco de ter prejuízo real.

Os radares meteorológicos de Bauru e Presidente Prudente não acusam aproximação nem de frente fria, nem de massa de ar polar. Com isso, nas próximas horas a região de Assis sofre a ação do frio provocado pela massa de ar polar que, vinda da Argentina, provocou fenômenos naturais em mais da metade do país, com ênfase a registro de neve em mais de 60 cidades sulistas. A partir de amanhã à tarde a temperatura volta a subir, tornando o clima mais agradável.

Amanhã o dia começa com céu azul, porém sem risco de geada. A temperatura mínima prevista é de 5 graus, com a máxima de 20 graus (a máxima, hoje, chegou aos 14 graus, agora, às 15 horas, na estação meteorológica de Assis. A recomendação de atenção fica voltada aos motoristas que forem viajar no sábado pela manhã, nesse encerramento de férias escolares de julho. Todo o Vale do Paranapanema terá as primeiras horas desse sábado com forte neblina, que estende-se até por volta de 9 horas.

No decorrer da próxima semana os termômetros voltam a registrar temperaturas máxima acima dos 25 graus, voltando ao clima que havia antes da chegada da frente fria e da massa de ar polar. As mínimas também volta à casa dos 9 ou 10 graus.

Dados meteorológicos das últimas 12 horas da estação de Assis
Data
e Hora
Temperatura
do ar (° C)
Umidade relativa
 do ar (%)
Precipitação
 (mm)
Radiação
solar
25/07/2013 15:00
14
56
0,0
598
25/07/2013 14:00
13
61
0,3
655
25/07/2013 13:00
12
69
0,0
655
25/07/2013 12:00
10
81
0,0
310
25/07/2013 11:00
9
88
0,0
427
25/07/2013 10:00
7
96
0,0
241
25/07/2013 09:00
4
99
0,0
72
25/07/2013 08:00
4
99
0,0
2
25/07/2013 07:00
4
99
0,0
1
25/07/2013 06:00
4
99
0,0
0
25/07/2013 05:00
2
100
0,0
0
25/07/2013 04:00
2
99
0,0
0

Dados meteorológicos das 7:00 AM à 7:00 AM - Estação de Assis

*Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Tabela não favorece o Assisense na segunda fase

Cláudio Messias*

Se a primeira fase não foi fácil para o Clube Atlético Asssisense, dias mais árduos tendem a vir na segunda, que inicia já no domingo que vem. Tabela divulgada às 18h10 dessa segunda-feira, pela Federação Paulista de Futebol, mostra algumas novidades para o Falcão do Vale. Vamos a elas.

A estreia do Assisense na segunda fase será contra o líder do grupo 1 da primeira fase, o Fernandópolis, adversário conhecido pelo torcedor assisense desde a época do extinto Vocem. O jogo acontecerá às 10 horas do próximo domingo, no estádio Tonicão. Até aí, nenhuma novidade.

Pela primeira vez em 2013 o Assisense fará jogo numa quarta-feira. E será na próxima quarta, dia 31, contra o Taboão da Serra. A tabela da Federação programa o jogo para a cidade de Jundiaí, por motivos ainda não formalmente explicados. Entre as razões possíveis está a irregular situação do estádio "Vereador José Ferez", na cidade do mandante, que foi vetado para a realização de jogos desde o início do campeonato da Segundona. Inclusive, o Taboão fez seus últimos jogos da primeira fase no estádio "Dr. Jayme Pinheiro Ulhoa Cintra", onde o Paulista manda seus jogos, em Jundiaí. Em resumo, significa que o Taboão jogará contra o Assisense sem apoio de torcida.

O terceiro jogo do Assisense, fechando o primeiro turno, também será fora de casa. O Falcão do Vale vai a Diadema enfrentar a equipe homônima no estádio municipal do Inamar no sábado, dia 3 de agosto, às 15 horas. Será, portanto, uma sequência desgastante para a equipe, que entrará em campo em Jundiaí na tarde da quarta e estará de volta à região da Grande São Paulo 72 horas depois.

O raro e exceto leitor deve estar percebendo que o Assisense completará o primeiro turno em apenas uma semana de disputas. Isso porque o Diadema já visita o Falcão do Vale no dia 11 de agosto, no Tonicão, às 10 horas, abrindo o returno da segunda fase. E lá vem nova jornada de jogos, com segundo jogo consecutivo em casa na quarta, dia 14 de agosto, contra o Taboão da Serra, às 15 horas. Sim, depois de muitos anos Assis voltará a ter um jogo de futebol profissional em plena quarta-feira.

O Assisense encerra sua participação na segunda fase no domingo subsequente, indo a Fernandópolis. O jogo no estádio municipal "Cláudio Rodante" terá o mesmo horário de toda a última rodada, ou seja, 10 horas da manhã.

Apenas recordando, agora são 24 equipes distribuídas em seis grupos. Os dois primeiros colocados de cada um dos grupos garante vaga automática para a terceira fase. Ainda classificam-se os quatro melhores terceiros colocados, cruzando o desempenho de todo o campeonato. Vale ressaltar que o Assisense é, até agora, um dos clubes com pior campanha entre os 24 que estão em disputa.

Teorizando - Meu retrospecto de jornalista esportivo que há três décadas cobre o futebol profissional regional permite-me fazer algumas suposições quanto ao desempenho do Assisense nessa segunda fase da Segundona. Não vou considerar, aqui, o potencial da atual equipe, cujas limitações critico e já expus aqui, nesse espaço do Blog. Vou ao que defino como teoria da lógica futebolística.

A meu ver, o jogo crucial dessa segunda fase é exatamente o do próximo domingo, às 10 horas, no estádio Tonicão. Vencer o Fernandópolis é romper a lógica a que me refiro, pois estaremos à frente daquela que é uma das melhores equipes do campeonato. Um empate não é todo ruim, pois, mantendo a retórica, estaremos, à base do gerúndio, somando um ponto contra uma das melhores equipes da primeira fase. Uma derrota, além do fator psicológico negativo, será trágica, pois nos lança para dois jogos consecutivos fora de casa tendo saldo negativo de gols e zero ponto na tabela.

Essa segunda fase tem apenas 6 jogos e será decidida, no calendário, em curto espaço de tempo. As equipes estreiam no dia 28 de julho e sabem quem avança e quem fica já no dia 18 de agosto. Três semanas, apenas, de disputas. Um desandar da maionese e não haverá tempo suficiente para corrigir. Logo, importante que eventuais reforços e mudanças no projeto do Assisense ocorram no mais tardar até essa terça-feira, dia 23, pois o relógio é tão adversário quanto Fernandópolis, Taboão e Diadema.

Continuando a teoria da lógica futebolística, também conhecida como elucubração de um torcedor cético, o jogo em Jundiaí, contra o Taboão, na quarta que vem, é favorável ao Assisense. Digo isso porque o adversário não é, de fato, um ótimo mandante. Ou seja, nas 4 vezes em que jogou em seus domínios, na primeira fase, perdeu uma, empatou outra e venceu duas. Cuidado, mesmo, será bom ter quando o Taboão vir a Assis, pois jogando fora de seus domínios o clube adversário venceu duas vezes e empatou outras duas. É, pois, mais visitante ingrato do que necessariamente um mandante de respeito. E, enfim, vencer em Jundiaí é possível ou, pelo menos, passível de sonhar, mesmo sabendo que o Taboão foi líder do grupo 5, empatando em pontos com o Osasco.

O terceiro jogo do returno, em Diadema, requer cuidado. Estamos falando de um Clube Atlético Diadema que mesmo sendo terceiro colocado no grupo 8 somou 17 pontos. Em cinco jogos em casa, o Diadema venceu 3, empatou um e perdeu outro. Um empate no jogo do dia 9 de agosto, portanto, pode ser encarado como bom resultado, pois a rodada seguinte traz o Diadema a Assis, na abertura do returno. E como visitante o adversário é regular, acumulando na primeira fase duas derrotas, duas vitórias e um empate.

Imagino, enfim, que o Assisense entre na luta por uma classificação entre os dois primeiros colocados do grupo 9. Para chegar a isso precisa vencer o Fernandópolis, empatar com o Taboão e com o Diadema e, no returno, vencer, aqui em casa, Diadema e Taboão, o que totaliza 11 pontos. Segurar um empate em Fernandópolis nos leva a 12 pontos, colocando-nos na disputa pela liderança do grupo. Na outra ponta da lógica está uma estreia com empate com o Fernandópolis, vitória sobre o Taboão, empate em Diadema, mantendo a mesma ordem do returno: vitórias sobre Diadema e Taboão e até mesmo derrota para o Fernandópolis, sabendo que a disputa pela liderança estará descartada.

Considerando que somente quatro dos seis terceiros colocados garantem vaga para a terceira fase, acredito que o Assisense sai da briga caso perca dois dos 6 jogos e empate outros dois. Não vejo possibilidade de sonhar com classificação somando menos de 9 pontos nessa nova fase, pois isso implicaria em aproveitamento inferior a 50%. Não bastará, portanto, fazer o dever de casa e vencer os três jogos como mandante. Será preciso, ainda, ao menos empatar um jogo fora do estádio da Fonte dos Amores, o que nos coloca na briga direta entre a segunda colocação do grupo e uma das quatro melhores terceiras colocações.

Todas as atenções, senhores torcedores, ficam lançadas para o jogo do próximo domingo. O Fernandópolis é uma incógnita enquanto visitante. Se empatou duas vezes fora de casa na primeira fase, venceu outras duas. Em quatro jogos, portanto, não perdeu nenhuma jogando fora de seus domínios. Em contrapartida, dos quatro jogos que fez em casa, venceu duas e empatou duas. Está invicto, mas também não conseguiu vencer todos os jogos que fez em casa.

Vencer o Fernandópolis pode significar, domingo que vem, quebrar a invencibilidade do principal adversário do grupo 9. Esses três pontos garantem uma estratégia de pelo menos empatar contra Taboão e Diadema, nas rodadas subsequentes. Isso acontecendo, basta manter a lógica que prevê que quem vence o Fernandópolis bate, sim, Taboão e Diadema aqui em casa. Isso nos leva para a última rodada, em Fernandópolis, já classificados e com o privilégio de jogar por um empate que nos dá a liderança do grupo e nos coloca em condições de disputar uma terceira fase menos sofrida do que foi a primeira fase encerrada ontem, domingo.

Acordando do sonho e pisando em terreno tão firme quanto o péssimo gramado do Tonicão, será pedreira disputar essa segunda fase. Com tantos jogos seguidos e em curto período de tempo se faz necessário ter em mãos uma equipe em condições de promover a rotatividade de jogadores, seja por lesões, seja por suspensões. O histórico do Falcão do Vale na primeira fase nos faz pensar com esse pé atrás, pois visivelmente a comissão técnica careceu de equilíbrio no elenco quando foi necessário improvisar na escalação.

Mantendo minha tradição de não ficar em cima do muro, acredito na classificação do Assisense. Brigar pela liderança, reconheço, é muita coisa. Ficamos em segundo, atrás de Fernandópolis e à frente de Diadema. Taboão, a meu ver, não avança.

E se você, raro e exceto leitor, perguntar por que da minha afirmação, no título, de que a tabela não favorece o Assisense, explico encerrando esse texto. Perder para o Fernandópolis, domingo que vem, não fugirá da normalidade, se comparadas as duas campanhas até aqui. Mas, para o Falcão do Vale haverá um peso quase insuportável nas costas, pois fará dois jogos consecutivos fora de casa, tendo a obrigação de vencer ao menos um e a condição de jamais sonhar com uma derrota nesses compromissos. Portanto, uma derrota domingo e o consequente baixar de cabeça pode fazer o Assisense receber Diadema e Taboão, no returno, praticamente eliminado da competição.

#pracimadelesfalcao





*Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP.